Filme indicado ao Oscar vence boicote e chega à Índia

Os cinemas da Índia exibem hoje finalmente o filme Water (Água), da cineasta Deepa Mehta, que afirmou que o boicote de sete anos por parte de extremistas hindus em Benares prova que a verdade deve ser conhecida. Indicada ao Oscar de melhor filme estrangeiro, a produção canadense fala sobre o drama da exclusão das viúvas indianas na década de 1930. Ela teve que ser rodada no Sri Lanka, depois de radicais hindus impedirem as filmagens em Benares, em 2000. Em entrevista à agência indiana ans, Mehta falou do seu orgulho por ver seu filme chegar finalmente às telas indianas. Para ela, todas as dificuldades que teve que enfrentar valeram a pena. A luta de cinco anos aumentou o desafio. O roteiro não mudou, quem mudou fui eu, afirmou. Radicalismo Hoje sou capaz de ver o mesmo roteiro de um ponto de vista diferente. Se tivesse feito Water cinco anos antes, em Benares, teria sido um filme diferente, acrescentou. A diretora, cujo filme completa a trilogia que iniciou com Earth (Terra) e Fire (Fogo), ressaltou que se horroriza com a discriminação social, uma realidade evidenciada pelo boicote ao seu filme em Benares. Radicais hindus destruíram os cenários preparados para o filme e ameaçaram Mehta. A cineasta foi acusada de usar o seu filme para atacar a reputação do hinduísmo e a imagem de Benares, além de ser instrumento de uma conspiração cristã contra a religião hindu. Quando saí de Benares para filmar no Sri Lanka, eu me senti livre do ponto de vista criativo, insistiu a diretora. Para ela, trabalhar na ilha ampliou sua visão das coisas. Respondendo às acusações dos extremistas de vender a miséria da Índia ao Ocidente, Mehta disse que não há razão para ocultar a verdade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.