Filme de Mel Gibson sobre Cristo carrega na violência

Mel Gibson parece estar caminhando para um retumbante fracasso de bilheteria. Seu novo projeto ? considerado nos meios cinematográficos como fruto da vaidade do astro ? promete muito sangue na tela para ilustrar as últimas 12 horas na vida de Jesus Cristo. The Passion vem sendo mostrado a religiosos católicos e judeus, que dão conselhos a Gibson.Um dos escolhidos por Gibson para ver a fita disse ao site Peoplenews.com que "Mel insiste que o filme tem que se ater ao que realmente aconteceu nas últimas 12 horas da vida de Cristo, inclusive a terrível cena da crucificação". A fonte ainda completou: "É muito pior do que o sangue e as tripas expostas em Coração Valente."Mas não é só pela anunciada sanguinolência que The Passion pode naufragar. Mel Gibson rodou o filme inteiro em aramaico e latim. Até agora, os religiosos que o diretor convida para exibições da obra têm visto o filme com legendas, mas uma versão sem as traduções estaria nos planos do diretor.O filme é definitivamente um trabalho autoral de Mel Gibson, que abriu mão da estrutura dos grandes estúdios e bancou a produção do próprio bolso, gastando US$ 25 milhões. Para explicar a aventura sem cair na excentricidade pessoal, vale saber que Gibson é membro de um grupo católico radical que luta pela volta das missas rezadas em latim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.