Filme de Lars Von Trier será lançado em versão ´light´nos EUA

Produtora eliminará cenas mais fortes do longa ´Anticristo´, que gerou polêmica e inaugurou as vaias em Cannes

EFE

20 de maio de 2009 | 08h26

 A produtora dinamarquesa Zentropa fará uma versão "light" de "Anticristo", o filme mais recente de Lars Von Trier, eliminando as cenas mais fortes para os mercados de Estados Unidos, Ásia e sul da Europa, informou hoje o jornal "Berlingske Tidende".

 

Veja também:

blog Acompanhe a cobertura pelo blog do enviado Luiz Carlos Merten

link Filme abriu a polêmica em Cannes

trailer Veja trailer do filme

 

"Faremos uma versão católica para os mercados mais 'beatos', que possa cumprir os requisitos de censura. Ainda não sabemos que cenas serão eliminadas, estamos conversando com os distribuidores para encontrar a 'fronteira da dor'", declarou ao jornal Peter Aalbak Jensen, diretor da Zentropa.

 

Aalbak Jensen, que fundou a produtora junto com o próprio Von Trier, acredita que as emissoras de TV comprarão a versão "light" do filme, que inclui várias cenas de alto conteúdo erótico e violento.

 

Filme colocou Cannes para rir e vaiar

 

Se o objetivo de Lars Von Trier era provocar barulho com seu novo filme no 62º festival, bem, ele conseguiu. Anti-Christ foi vaiado nas duas sessões de imprensa no domingo à noite. A vaia, em si mesma, sinaliza para uma resposta negativa da plateia. Quem não vaiava estava rindo e essa última não é a reação esperada diante de um filme de horror, mas cinéfilo que se preze sabe que grandes filmes foram recebidos sob vaia aqui mesmo em Cannes, bastando lembrar A Aventura, de Michelangelo Antonioni, cuja versão restaurada é uma das atrações da seção Cannes Classics deste ano.

 

Anti-Christ começa com uma cena de sexo explícito, com o detalhe de uma penetração. O casal que faz sexo é formado por Willem Dafoe e Charlotte Gainsbourg. Enquanto eles se divertem, seu filho está morrendo no quarto ao lado. É o prólogo de Anti-Christ. O restante do filme divide-se em três capítulos mais o epílogo. Os capítulos chamam-se Dor, Luto e Desespero, como os três mendigos que assombram as histórias infantis contadas pela personagem de Charlotte. Devastada pela dor, e pela culpa, a mulher inicia uma viagem alucinada. O marido resolve psicanalisá-la. A ação transfere-se da cidade para uma cabana na floresta, onde marido e mulher iniciam uma descida ao inferno.

 

É como se Cenas de Um Casamento se cruzasse com A Bruxa de Blair, menos o elemento de mistério. O inferno, você sabe, desde Jean-Paul Sartre sempre foram os outros. Para Lars Von Trier, agora, é a natureza. Diversos signos - animais que se entredevoram, árvores que tombam - passam a expressar a desagregação física e moral do casamento.

 

E se o Diabo, não o bom Deus, tivesse criado o homem? Talvez seja a tese embutida em Anti-Christ, cujo estilo dramático e visual está mais para Dogma do que para a suntuosidade cênica de Ondas do Destino. Tudo é psicanalisado e a corrida, ontem, à coletiva, foi grande porque quem não queria agredir o diretor esperava, pelo amor de Deus, que Lars Von Trier explicasse o filme e suas intenções. Anti-Christ não é um filme fácil, mas filmes fáceis não são exatamente o que se espera de um grande festival de cinema como Cannes. A experiência é desagradável, um circo de horrores que inclui a dilaceração do próprio clitóris por Charlotte e também um ataque violento da mulher ao pênis do marido. Os signos sexuais estão presentes o tempo todo, mas são signos de morte. O epílogo tenta abrir uma porta para a salvação, mas o pensamento estético e político de Von Trier desconcerta, mais do que provoca admiração.

 

O festival toma um rumo estranho. A seleção organizada por Thierry Frémaux aponta para um mundo em desordem. Numa cena importante, uma raposa fala - se não fosse ela, teria de ser uma serpente - para dizer o que o espectador já intuiu. Reina o caos. A própria seleção está refletindo isso. Temos aqui, este ano, um gosto acentuado pela violência e pelo humor ?bizarro?, que faz os filmes ?cults?. Neste sentido, o final de semana foi tétrico na Croisette. Uma mulher é esquartejada em Kinatay, o novo filme do filipino Brillante Mendoza, cuja provocação não produz o mesmo respeito, em certas faixas da crítica, do que a de Lars Von Trier. A coreografia violenta de Vengeance, de Johnnie To - capa de Cahiers du Cinéma e único filme para o qual a revista deu cotação máxima, obra-prima, até agora -, pode ser eventualmente divertida, mas To fica na superfície do cinema de gênero, brincando de autor, e não atinge nem de longe a densidade que os grandes diretores de Hollywood conseguiram imprimir aos clássicos que ele emula.

 

É um cinema que, no geral, fica na exterioridade dos signos. Mesmo Lars Von Trier, que quer ser mais profundo, não chega lá. O diretor, aliás, admite no dossiê de imprensa que escreveu esse roteiro num momento de impotência criativa e tem certeza de tê-lo feito abaixo de seu potencial intelectual. Já tivemos alguns bons filmes - Taking Woodstock, de Ang Lee; Bright Star, de Jane Campion; e, sobretudo, Un Prophète, de Jacques Audiard -, mas a seleção de Cannes em 2009 está apontando para um cinema da crise. Pode-se ver um espelho do mundo atual, mas, através do espelho, cada um pode projetar suas expectativas e desejos. Ainda bem que houve ontem Looking for Eric. Ken Loach é o único que parece não ter perdido sua fé na humanidade.

 

(Com Luiz Carlos Merten, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
CannesLars Von Trier

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.