Felipe Trueba / EFE
Felipe Trueba / EFE

Filme de Eliza Capai ganha o prêmio da Anistia Internacional no Festival de Berlim

Longa mostra as manifestações nas escolas paulistas, em 2015

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2019 | 12h20

BERLIM - Dieter Kosslick foi poético. O diretor da Berlinale, que assina sua última seleção, veio apresentar os prêmios paralelos e fez um comunicado. "Durante quase todo o festival o céu sobre Berlim tem estado encoberto, mas hoje amanheceu límpido, com esse azul sem nuvens. É como se o céu quisesse facilitar a subida de um amigo, meu e do festival, que morreu, mas eu espero que já esteja lá em cima. Bruno Ganz foi sempre um amigo da Berlinale, e um grande ator. Está indo levar sua arte para outras dimensões. Ganz, só para lembrar, foi ator de Wim Wenders em Asas do Desejo, também conhecido como O Céu Sobre Berlim, daí a liberdade poética de Kosslick.

O primeiro foi para... o Brasil! Eliza Capai ganhou o prêmio da Anistia Internacional por seu longa Espero Tua (Re)Volta, exibido na mostra Generation. O filme é sobre as ocupações de estudantes de 2015, quando garotos e garotas ocuparam escolas de São Paulo para exigir educação. "Fazer o filme foi difícil, mas nem nos piores pesadelos eu poderia imaginar que o filme ficaria pronto em condições tão adversas. É uma honra estar aqui e protestar, para mundo, contra o governo homofóbico, racista e contra as mulheres que se instalou no País."

Elisa conversou rapidamente como Estado, no fim da cerimônia. "Sempre sonhei com um lançamento alternativo, para que o filme chegasse ao seu público e, com o apoio da Anistia, acho que vamos conseguir isso. Põe no jornal, por favor, para que o Brasil saiba da importância desse prêmio. Somos independentes. Precisamos de todo apoio para fazer e lançar nossos filmes." 

Outro prêmio decisivo foi o do júri ecumênico, que foi para Deus Existe, Seu Nome É Petrunya, de Teona Strugar Mitveska, da Macedônia, na competição. A defesa da juventude, pela Anistia, cuja dirigente citou estatísticas sobre o número de jovens mortos, principalmente negros, e a das mulheres, pelo júri ecumênico deram o tom da cerimônias. E perto daqui, na praça de Potsdamer, havia um protesto de blusões amarelos. Sob o céu azul de Berlim as coisas estiveram quentes agora pela manhã.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Festival de Berlim [cinema]Bruno Ganz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.