Filme de Chaplin encerra Festival Bolonha

A 19.ª edição do Festival de Cinema de Bolonha foi concluída hoje com a projeção de A Woman of Paris (Uma mulher de Paris) de Charles Chaplin, em versão restaurada pelo laboratório Imagem Restaurada e com a música inédita expressamente composta pelo próprio Chaplin e dirigida por Timothy Brock. Na semana que começou em 2 de julho no Teatro Municipal de Bolonha, com uma projeção de O Encouraçado Potemkin de S. M. Eisenstein, com música original de Edmund Meisel, o festival apresentou os últimos achados das Cinematecas de todo o mundo, devidamente restituídos a seu antigo esplendor. Cerca de cinqüenta filmes, entre eles numerosos curtas de 1905, além de 30 comédias breves do humorista francês André Deed, famoso em toda a Europa sob vários pseudônimos (Cretinetti, Boireau, Gribouille, Torbio, Foolshead, Lehmann, etc.) formaram o programa. O festival reuniu especialistas, historiadores e cinéfilos de todo o mundo, atraídos pelas diversas atrações nas quais se dividiu o evento, entre elas homenagens a Betsy Blair. A atriz veterana esteve em Bolonha, bastante lembrada pelo filme Marty, de 1955, mas sobretudo por uma série de filmes (Calle Mayor, I Delfini, Il Grido) rodados na Europa, onde se refugiou escapando da caça às bruxas desencadeada em seu país contra toda a Hollywood de esquerda. Também foi feita uma homenagem ao diretor Lewis Milestone, com três cópias novas de filmes mudos, Two Arabian Knights (Dois cavaleiros árabes), The Racket (A turma) e The Garden of Eden (O jardim do Éden), que não se viam inteiros desde sua estréia há mais de setenta anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.