Filme com Juliette Binoche é novo favorito em Cannes

O Festival de Cinema de Cannes já tem um favorito à Palma de Ouro. É o filme do cineasta austríaco Michael Haneke, Hidden, com os astros franceses Juliette Binoche e Daniel Auteil.Este suspense obteve 3,3 pontos no tradicional ranking da revista Screen International. Em 2001, Haneke faturou o Grande Prêmio do Júri do festival por A Professora de Piano (2001), baseado no romance A Pianista, da escritora e poeta austríaca Elfriede Jelinek, que recebeu o Prêmio Nobel de Literatura no ano passado.O longa de David Cronenberg exibido na segunda-feira em Cannes, A History of Violence, foi apontado pelos críticos como o primeiro favorito e segue de perto na lista da revista, com 2,8 pontos. Em terceiro lugar, o polêmico Lars Von Trier com o segundo filme de sua trilogia americana, Manderlay, que vem na seqüência de Dogville.Haneke e Cronenberg - Outra publicação especializada, a revista Hollywood Reporter, listou o longa de Haneke e o filme de Cronenberg como os dois favoritos à Palma de Ouro até o momento.De acordo com a Hollywood Reporter, trata-se de "dois filmes bem acessíveis que emergiram como favoritos". Hidden foi exibido no fim de semana e conta a história de um apresentador de TV que começa a receber fitas de vídeo com imagens de sua família, mas não tem idéia de quem possa ter registrado essas cenas.Já o longa de Cronenberg está sendo apontado como o mais comercial do cineasta nos últimos anos. Mas os críticos não interpretaram essa característica em A History of Violence como um ponto negativo.O filme vem recendo resenhas elogiosas e a imprensa acredita que tanto os apreciadores de um bom suspense como os fãs da lógica obscura de Cronenberg serão seduzidos pelo longa protagonizado por Viggo Mortensen - o astro da trilogia O Senhor dos Anéis.Manderlay, de Lars Von Trier, também foi muito elogiado e alguns em Cannes se arriscam a dizer que o filme é até melhor do que seu antecessor, Dogville, com um roteiro mais enxuto.O fator Jarmusch - Mas tudo isso pode mudar, uma vez que o novo filme de Jim Jarmush, Broken Flowers foi muito aplaudido na sessão para a imprensa e crítica na manhã desta Terça. Aplausos de pelo menos dez minutos e muitas risadas durante a projeção. A reação pode ser atribuída principalmente ao protagonista, Bill Murray, que vive um homem que é abandonado pela namorada e que resolve procurar todas suas ex-namoradas e investigar a alegação de que ele tem um filho de 19 anos.Na entrevista coletiva que contou com diretor e elenco do longa, Bill Murray explicou de forma bem humorada a trama de Broken Flowers."É uma espécie de história de detetives psicológica", disse o ator.Murray afirmou que o filme é "intrigante" e lembrou que seu personagem passa a maior parte da trama calado.Mas o silêncio não impede que o tipo vivido por Murray tome muitas surras. Enquanto está em cena, Bill Murray apanha das mulheres que atuam no filme por diversas vezes. Além de vários sopapos, o personagem também se surpreende com as revelações feitas pelos tipos femininos que povoam a tela.Entre as atrizes que atuam no longa de Jarmusch estão Sharon Stone e a britânica Tilda Swinton. Comparando a experiência de seu personagem com sua vida pessoal, Murray comentou que é muito difícil voltar ao passado e rever os amores de sua vida.Para Jim Jarmush, Broken Flowers tem uma estrutura muito simples."O filme se preocupa mais com os personagens do que com o enredo. Nem consigo definir qual é o gênero do filme e fico feliz com isso, disse o cineasta de Estranhos no Paraíso.O diretor afirma não estar interessado no que se passou com o personagem de Bill Murray antes do que é mostrado na tela.Cinema brasileiro - Além de promover rankings e enquetes, diversos negócios também estão sendo fechados em Cannes, com boas notícias para o cinema brasileiro.A Lite, uma nova companhia brasileira de cinema, lançou um fundo de US$ 1 milhão para financiar projetos latino-americanos com potencial de sucesso no mercado internacional.Com este fundo, a Lite quer ajudar na realização de dez roteiros e busca projetos ainda nos primeiros estágios de desenvolvimento. A jornalista e cineasta brasileira Ana Maria Bahiana faz parte da diretoria da Lite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.