Filme chinês aborda a luta pelo poder

Uma aventura medieval recheada de heróis místicos, batalhas pelo poder, magia e efeitos especiais. Assim é o filme Os Cavaleiros da Tempestade (The Storm Riders), uma superprodução chinesa perfeita para os fãs do gênero, fruto da adaptação de um mangá (história em quadrinhos) para as telas. A fita, lançada pela China Vídeo, está disponível nas locadoras nas versões dublada e legendada desde a semana passada.O filme foi o maior sucesso de bilheteria de todos os tempos em Hong Kong. Apenas na primeira semana de exibição, em 1998, faturou US$ 2 milhões, chegando a desbancar o poderosíssimo Titanic. O material levou dois anos para ficar pronto e custou US$ 10 milhões, um valor astronômico para as produções chinesas.Dirigida por Andrew Lau ? com atuação de Aaron Kwoc, Ekin Chan, Sonny Chiba e outros ? a fita de 90 minutos conta a história do Lord Conquer, um poderoso líder de um grande clã da China Medieval que deseja conquistar o mundo. Por meio de uma profecia, ele descobre que só conseguirá aumentar seu império utilizando-se de duas crianças. Assim, mata os pais dos pequenos Cloud (Nuvem) e Wind (Vento) e os adota como filhos.Dez anos depois, descobre que, juntos, os rapazes podem formar a tempestade necessária para destruir o inimigo ? que virá a ser o próprio Lord Conquer. Daí, uma batalha de proporções épicas é inevitável. Durante todo o filme, não faltam heróis voadores, que combatem o fogo com as mãos e criam ventania apenas girando o próprio corpo. Além de letras douradas que pairam no ar formando uma mensagem sobre uma caixa mágica de Yin Yang.Divertido é o personagem do Bobo da Corte, um chinês branquinho e frágil que, é claro, fala muitas bobagens e ri o tempo todo. Apesar do nome, Os Cavaleiros da Tempestade reserva rápidos momentos de romance e encantamento nas cenas em que a filha de Lord Conquer, a bela Charity, se envolve com Cloud e Wind. Atração própria para os amantes de combates em vídeo e em videogame.

Agencia Estado,

06 de novembro de 2000 | 13h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.