Filme chileno discute violência urbana no festival Florianópolis Audiovisual Mercosul

'Matar a Un Hombre', de Alejandro Fernández Almendras, fala de desafios que dizem respeito à nossa sobrevivência

Luiz Zanin Oricchio / Florianópolis, O Estado de S. Paulo

25 de maio de 2014 | 21h10

O FAM - Florianópolis Audiovisual Mercosul deu início à sua 18.ª edição. É um festival que cumpre papel importante na integração latino-americana. Como se sabe, vivemos de costas para o resto do continente e, eles, de costas para nós.

Sentimo-nos mais próximos da Europa e, muito mais, dos Estados Unidos. No cinema, essa forma de alienação é ainda mais perceptível. Por sorte, vários festivais brasileiros - Cine Ceará, Festival Latino-americano de São Paulo, Gramado e, agora, o Cine PE, do Recife, entre outros, têm percebido as vantagens da aproximação cultural com nossos vizinhos. O FAM é um dos pioneiros nessa tentativa de sintonia.

No dia 24 de maio, foi apresentado um dos representantes do Chile, Matar a Un Hombre, de Alejandro Fernández Almendras, e já provocou polêmica entre os críticos presentes (gente do Uruguai, Argentina, Bolívia, Brasil e do próprio Chile).

Houve quem considerasse a história duvidosa do ponto de vista, digamos, político.

O personagem principal é Jorge, um guarda florestal diabético, que mora num bairro de periferia. Jorge - e sua família - são atormentados por um grupo de desordeiros, por um deles em particular, gente de um conjunto habitacional vizinho. Jorge tenta os caminhos legais para se proteger, mas quando estes se revelam falhos, morosos, burocráticos, ele pensa em, digamos, soluções alternativas.

Essa storyline não faz do longa de Almendras um êmulo banal de Vontade de Matar, o apologista fílmico da "justiça com as próprias mãos". Pelo contrário. Há todo um cuidado em caracterizar o personagem principal como homem fragilizado, contraditório e com problemas de consciência.

O filme põe em pauta a questão da violência urbana e de como somos obrigados a lidar com desafios que, às vezes, dizem respeito à nossa própria sobrevivência.

A esquerda tradicional, como se sabe, sempre teve dificuldade a tratar do problema. Como se dissesse: "O nosso foco único é a justiça social, deixamos o discurso da segurança para a direita".

Esse equívoco provocou perda de votos e de credibilidade. Afinal, segurança não é uma questão ideológica, mas um direito do cidadão, e vazios do Estado tendem a ser preenchidos por aventureiros.

Almendras tem a coragem de tocar nessa questão espinhosa. E também corre o risco de ser mal interpretado ao fazê-lo. Cinematograficamente, o filme é muito interessante, despojado, "quase bressoniano", como lembrou alguém.

Refere-se ao francês Robert Bresson, o mestre por excelência do despojamento, tanto nas atuações como nas opções narrativas, com a ausência de tons melodramáticos apelativos, uso parcimonioso, ou ausência completa, da música.

Em seus vários segmentos, o FAM apresentará até 30 de maio mais de uma centena de filmes, entre longas documentais e de ficção, além de curtas-metragens. Estão programadas mesas-redondas, debates e painéis sobre o audiovisual contemporâneo. Entre elas, Desafio da Crítica: As Novas Linguagens do Audiovisual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.