Div
Div

Filme chileno abre o 24º Cine Ceará

Mostra começa no sábado com ‘Não Sou Lorena’, de Isidora Marras, e homenageia o diretor João Batista de Andrade

Luiz Zanin Oricchio , O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2014 | 03h00

Começa neste sábado, 15, em Fortaleza, a 24.ª edição do Cine Ceará, um dos mais tradicionais festivais de cinema do País. A mostra cearense se inicia com homenagem à atriz Deborah Secco e terá, como filme de abertura, um dos competidores estrangeiros, o drama de suspense Não Sou Lorena (Chile/Argentina), de Isadora Marras. 

Neste ano, a mostra principal volta a ter como palco o Theatro José de Alencar, e não mais nas salas do Centro Dragão do Mar, como aconteceu no ano passado. A justificativa é que a mostra se tornava um tanto dispersiva quando dividida pelas três salas do Dragão. Já o teatro, inaugurado em 1910, é lindo, embora pouco confortável como sala de cinema improvisada. Tem ao seu lado um parque acolhedor, propício para as atividades sociais do evento. 

Com recorte ibero-americano, o Cine Ceará apresenta em sua mostra competitiva três filmes brasileiros e cinco de outros países. Dólares de Areia, da República Dominicana, o já citado Não Sou Lorena, do Chile, Não Roubarás (a Menos Que Seja Necessário), do Equador, Obediência Perfeita, do México, e Os Fenômenos, da Espanha, compõem o cardápio estrangeiro. 

Pelo Brasil, vêm Estrada 47, de Vicente Ferraz, De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chneiderman, e A Vida Privada dos Hipopótamos, de Maíra Bülher e Matias Mariani. 

Destes, Estrada 47 é o mais manjado: já foi apresentado no Festival do Rio de 2013 e ganhou o troféu de melhor filme em Gramado-2014. Por que um vencedor de importante festival compete em outro? Mistérios dos festivais brasileiros. 

Além da mostra de longas, haverá a competição de curtas, com 12 títulos disputando os Troféus Mucuripe. Outra atração é o Foco Argentina, com exibição de filmes e debates sobre o cinema dos hermanos. 

O Cine Ceará programou ainda longas nacionais fora de concurso, como Boa Sorte, de Carolina Jabor, com a homenageada Deborah Secco no papel de uma doente terminal viciada em drogas. Além de Deborah, dois outros artistas receberão homenagem do evento – o ator Nelson Xavier e o diretor e escritor João Batista de Andrade, atual diretor do Memorial da América Latina e eleito como intelectual do ano de 2014 pela União Brasileira de Escritores, que lhe conferiu o Troféu Juca Pato. 

No encerramento, dia 22, haverá a exibição fora do concurso do inédito Nervos de Aço, de Maurice Capovilla, ficção que procura resgatar a memória do genial compositor gaúcho Lupicínio Rodrigues (1914-1974), no ano do seu centenário. 

DESTAQUES

 ‘Obediência Perfeita’,da República Dominicana

 ‘Não Sou Lorena’, do Chile

‘Não Roubarás (A Menos Que Seja Necessário)’, do Equador

 ‘Os Fenômenos’, da Espanha

 ‘Estrada 47’, do Brasil 

 ‘De Gravata e Unha Pintada’, do Brasil 

 ‘A Vida Privada dos Hipopótamos, do Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
Cine Ceará

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.