Filme 'Chicago 10' faz paralelo entre protestos de 1968 e Iraque

O diretor de um novo filme sobre osviolentos protestos de 1968 contra a guerra do Vietnã, BrettMorgen, diz que não se trata de mais um filme nostálgico sobreos anos 1960, mas de um trabalho que busca refletir sobre aoposição atual às guerras do Afeganistão e Iraque. "Chicago 10" trata dos protestos contra a guerra do Vietnãque explodiram durante a convenção do Partido Democrata em 1968e o julgamento bombástico que se seguiu dos ativistasconhecidos como "Chicago 7", incluindo Abbie Hoffman e JerryRubin. Morgen disse à Reuters que teve a idéia de fazer o filmequando os EUA invadiram o Afeganistão, em 2001, e o Iraque, em2003. "Há uma guerra em curso, existe uma oposição a essa guerrae há um governo tentando silenciar essa oposição", disseMorgen. "Em última análise minha história diz respeito a 2008, nãoa 1968. Eu me apropriei de imagens e iconografias de 1968 paracontar uma história sobre a guerra atual." Críticos saudaram o filme como inovador por fundir imagensde TV de arquivo com animação, para reencenar o julgamento e osprotestos. Para atrair um público mais jovem, a trilha sonorainclui Rage Against the Machine e Eminem. Para o Los Angeles Times, "Chicago 10" conseguiu recontaros fatos de 1968 de uma forma interessante para uma geraçãomais jovem. Morgen convenceu artistas de destaque a dublar as figurasanimadas, incluindo Nick Nolte, Mark Ruffalo, Liev Schreiber,Jeffrey Wright e Hank Azaria, que dubla Abbie Hoffman. Hoffman foi preso durante a convenção e, ao lado de seisoutros, julgado por conspiração. Os dois advogados de defesa,mais o ativista dos Panteras Negras Bobby Seale, que foiamarrado e amordaçado no tribunal e acabou sendo separado dojulgamento, compõem os 10 mencionados no título do filme.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.