Filme brasileiro é ovacionado em Berlim

Um público composto em parte por brasileiros saudou com gritos e aplausos o final da projeção do filme de José Henrique Fonseca O Homem do Ano, apresentado no cinema Zoo Palast, dentro da mostra paralela fora de concurso Panorama, do 53.º Festival de Cinema de Berlim.Baseado no romance O Matador, de Patrícia Melo, adaptado pelo escritor Rubem Fonseca (pai do diretor do filme), esta obra-prima de um ex-assistente de Hector Babenco e Walter Salles (que é considerado o melhor cineasta dos anos 90 do cinema brasileiro), conta a história de um jovem que se descobre com uma nova personalidade e por causa de uma aposta tinge o cabelo de loiro.Uma disputa banal o faz matar um ladrãozinho de bairro e isto o converte em um herói para as pessoas comuns que haviam sofrido nas mãos do defunto, além de abrir as portas da casa de um trio de burqueses que o usam como um matador de aluguel. A primeira metade do filme é um modelo de concisão, humor e ritmo cinematográfico e se alonga um pouco em detalhes sem importância, repetitivos no final, mas isso não afeta demasiadamente o nível de qualidade do filme que revela um cineasta jovem, de 38 anos, mas já muito seguro de seu trabalho.Mérito também de um excelente elenco em todos os níveis, desde os protagonistas como Murilo Benício, no papel principal, Cláudia Abreu e Natália Lage, como suas duas amantes, até os papéis secundários, como o misógino Paulo César Pereio, sem esquecer seu talento histriônico.

Agencia Estado,

13 de fevereiro de 2003 | 12h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.