Felie Rau
Felie Rau

Filho de Vittorio Storaro, Giovanni fala sobre a mostra em cartaz na Oca

Ao lado da irmã, ele é o curador da exposição que resgata o trabalho do premiado diretor de fotografia

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2017 | 06h00

Filho de Vittorio Storaro, Giovanni ainda montava a exposição na Oca quando conversou com o repórter. Prometeu voltar com o pai, em outubro. Ele falou ao Estado sobre a mostra 'Escrever com a Luz', que será aberta nesta sexta-feira, 22.

Como surgiu a curadoria dessa exposição?

É decorrência dos livros que editamos com a Mondadori, na Itália. Os escritos de meu pai fornecem uma súmula do seu pensamento e das pesquisas que norteiam sua pesquisa como autor de cinematografia. Um dia pensei – e se fizéssemos uma megaexposição? Ele aderiu, e aqui estamos no Brasil.

O que mais impressiona é que você coloca as referências junto aos filmes. Francis Bacon e 'Último Tango em Paris', as animações da Disney e 'O Fundo do Coração', Salvador Dalí e o curta com Michael Jackson para a Disney. A coisa salta aos olhos, e a gente se pergunta – como nunca percebi antes?

É o sentido da nossa busca (ricerca). Parece óbvio, não? Mas a ideia é tornar transparente o conhecimento enciclopédico que Vittorio adquiriu ao longo de sua vida e carreira, sempre dedicada ao enigma da imagem. Ela existe sozinha – tem a cor, a luz. Tem os instrumentos técnicos. Pode ser estática, em movimento. Vittorio ama o movimento. É um autor de cinematografia, que conta histórias por meio de imagens que se movem. Mas tem de pensar também a foto, que é parada.

Você costuma ir aos sets?

Quando menino, brincava com Sofia (Coppola) no set de Apocalypse. Tínhamos nossos macaquinhos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Vittorio StoraroCinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.