Festival Rio BR abre com Almodóvar

Pedro Almodóvar virou um cineastatão grande que será preciso se vestir de gala para assistirnesta quinta-feira à noite, no Cine Odeon BR, encravado numa Cinelândiacarioca, ao novo filme do diretor. Fale com Ela inaugurao Festival do Rio BR 2002. O convite exige black-tiee a festa que começa no palco do Odeon prossegue com comes,bebes e música num dos armazéns do cais do porto. O evento desta quinta é fechado, só para convidados. A partir de sexta-feira,o Rio vira a capital cinematográfica do País e do mundo. Durante15 dias, até 10 de outubro, mais de 300 filmes, distribuídos em17 mostras, serão exibidos em 25 salas da cidade. Os organizadores reconhecem: nem planejando os horáriosno computador o cinéfilo poderá assistir a todos os filmescontidos nessa maratona. As escolhas serão inevitáveis. Muitacoisa incluída na mostra Panorama do Cinema Mundial entrará emcartaz nas salas de todo o País, todos os filmes da PremièreAmérica têm lançamento garantido e os da Première Brasil, mesmonum mercado ocupado como o brasileiro, dificilmente deixarão dechegar aos cinemas. Por isso mesmo, as demais mostras ficam tãoatraentes. São, em geral, os redutos do ineditismo. MidnightMovies, que possui a fama de ser a mais cult das mostras noFestival do Rio BR, exibe filmes experimentais e/outransgressivos. Mundo Gay é território da militância GLS.Limites e Fronteiras abre a janela para a realidade exibindodocumentários que põem na tela os temas da atualidade. É a menina dos olhos de Ilda Santiago, uma dasdiretoras-executivas do Festival do Rio BR, com WalkíriaBarbosa. A lista completa de diretores do evento inclui: MarceloMendes, Nelson Grumholz, Adriana Rattes, Vilma Lustosa, IafaBritz e Marcos Didonet. Ilda lembra que essa mostra já teveoutros nomes (Filme e Realidade em 2000, Desafios do Milênio, noano passado). Visa estimular o debate focado nos problemasconcretos do mundo atual. Só para confirmar o que issorepresenta, basta dizer que Limites e Fronteiras traz ao Rio, nodomingo, o filme coletivo em que diretores como Ken Loach, SeanPenn, Shoei Imamura, Samira Makhmalbaf, Youssef Chahine, IdrissaOuedraogo, Amos Gitai e outros dão seu testemunho sobre ofatídico 11 de setembro. Intitulado, no original, 11´0901,esse é o tipo do filme que se destina à polêmica, até porque osautores, por mais críticos que possam ser em relação ao fato,são, na maioria, homens de esquerda que não rezam pela cartilhado presidente George Bush. E há muito mais para fazer a delícia dos cinéfilos. DePecadoras a Santas é uma mostra dedicada ao melodrama mexicanoque vai recolocar em circulação, em cópias restauradas, osfilmes da diva Maria Felix, que morreu este ano. Maria não é aúnica estrela desse cinema de lágrimas a ressurgir nas telas doRio. Ela poderá ser vista em A Deusa Ajoelhada, de RobertoGavaldón, em Desvario, de António Momplet, e em Enamoradae Maclóvia, de Emílio Fernandez, o cineasta que entrou para ahistória como El Índio Fernandez. A programação inclui melôs comDolores Del Rio (Coração Torturado) Marga López (Santaentre Demônios) e Columba Dominguez (Pueblerina), todosdirigidos pelo Índio Fernandez. Sob o título de Tesouros da Cinemateca: Três OlharesGermânicos, o Festival do Rio BR 2002 vai exibir as cópiasrestauradas dos clássicos O Anjo Azul, de Josef VonSternberg, com a vamp Marlene Dietrich, e Metrópolis, deFritz Lang, mais o velho Sissi, de Ernst Marischka, com umagarota que, adulta, viraria uma das mulheres mais maravilhosasda tela, Romy Schneider. Mundo Gay traz, entre outrastransgressões, Tudo sobre Meu Pai, do norueguês EvenBenestad, documentário sobre médico que é travesti, realizadopelo próprio filho dessa figura que parece saída de um filme deAlmodóvar. Midnight Movies também traz documentários que vão dar oque falar. A Erva Maldita, de Paolo Rossi e Dario Fo, tratada cannabis, e O Show não Pode Parar, de Nanette Burstein eBrett Morgen, retraça a trajetória de Robert Evans, o executivoda Paramount que produziu, no final dos anos 1960 e início dos70, O Bebê de Rosemary, Love Story - Uma História deAmor, O Poderoso Chefão e Chinatown. Evans conta tudosobre sua experiência de garoto dourado em Hollywood. Jovem,bonito e poderoso, ele viajou em relacionamentos conturbados enas drogas, assumindo a dependência da cocaína que quase odestruiu. Première Brasil e Première América Latina vão mapear aprodução recente no País e no continente . Première América traz entre outros, filmes como Códigos de Guerra, de John Woo, eDívida de Sangue, o novo Clint Eastwood. Mas é, como sempre,o Panorama do Cinema Mundial a mostra que mais chama a atenção,pela amplitude e também por atualizar o espectador que querestar por dentro de tudo com as novas tendências do cinema emtodo o mundo. Fale com Ela integra o panorama, que tambémvai exibir - apenas uma pequena amostra - O Filho, dosirmãos Luc e Jean-Pierre Dardenne, sobre um pai amargurado quese envolve com o assassino do filho; Ali, de Michael Mann, omais forte ataque de Hollywood ao racismo desde Na Época doRagtime, de Milos Forman; Nu Frontal, o novo filme deSteven Soderbergh, com Julia Roberts e David Duchovny, sobre opróprio cinema; O Homem sem Passado, de Aki Kaurismaki, quevenceu os prêmios do júri e de melhor atriz (Kati Outinen) emCannes, em maio; Intervenção Divina, de Elia Suleiman, queenquadra o conflito do Oriente Médio na perspectiva dospalestinos; Irreversível, de Gaspar Noe, que tanta discussãopromoveu em Cannes, com a cena do estupro da personagem deMonica Bellucci ; e Ten, no qual Abbas Kiarostami fazavançar a experiência com o digital de ABC África. Outras atrações do panorama: O Pianista, de RomanPolanski, que venceu a Palma de Ouro deste ano com sua recriaçãodo holocausto; Passaporte para a Vida, de Bertrand Tavernier sobre o cinema francês feito com apoio alemão, durante os anosda ocupação da França pelos nazistas; e Possessão, de NeilLaButte, cuja narrativa se desenvolve em dois tempos paradiscutir literatura e a liberdade de escolha sexual. Polanski,Tavernier e LaButte são alguns dos convidados que já confirmarama presença no Rio. Costa-Gavras é outro que vem, para participarde um seminário sobre conservação e restauração de filmespromovido pelo Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.