Reprodução
Reprodução

Festival realizado no Rio ressalta a importância da mulher negra no cinema

Semana dos Realizadores resgata a valorização de nomes como Adélia Sampaio

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2016 | 03h00

RIO - Mesmo no Dicionário de Filmes Brasileiros de Antônio Leão da Silva Neto, Adélia Sampaio é negligenciada. O verbete dedicado a Amor Maldito, de 1984, diz apenas que, segundo a diretora, a história baseia-se no suicídio de uma miss suburbana. Nenhuma referência ao fato, nada negligenciável, de que Adélia foi a primeira diretora negra do cinema brasileiro, e quando o cinema já beirava os 90 anos da histórica sessão dos irmãos Lumière, em Paris. Num programa intitulado Cachoeira.Doc, a 8.ª Semana dos Realizadores apresentou, domingo, 27, no Rio, o longa de Adélia num programa duplo com Kbela, de Yasmin Thayná. Seguiu-se o debate Por Um Cinema Negro no Feminino, com mediação de Janaína Oliveira.

Embora com pouquíssima divulgada, a semana é um evento seminal de cinema autoral e independente no País. Iniciada na quarta passada, 23, encerra-se nesta quarta, 30. A programação, que não estabelece distinção entre formatos e gêneros, tem abordado as questões indígena, da mulher e do negro - da mulher negra. No ano passado, a 7.ª Semana já debatera ‘a construção e a desconstrução do feminino’. Para a curadora Lis Kogan, o debate sobre o cinema negro no feminino foi quase um desdobramento do ano passado. Janaína iniciou o encontro pela leitura de uma carta aberta.

Adélia Sampaio foi homenageada em Porto Alegre por seu trabalho pioneiro, no dia 20 passado, Dia da Consciência Negra. De volta ao Rio, advertiu os agentes de segurança do aeroporto Salgado Filho de que possui pinos na coluna. Ordenaram-lhe que seguisse em frente. O alarme disparou. Foi tratada como terrorista. Levada para uma sala isolada, despida, obrigada a exibir suas partes íntimas. Uma senhora negra de 70 e poucos anos. O debate já nasceu sob esse impacto. A representatividade da mulher negra na tela e a humilhação da mulher negra, na vida. Não é por ser artista que Adélia Sampaio merece respeito. É por ser cidadã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.