Festival põe o cinema infantil em cartaz

Foi praticamente uma gestação dupla. Pouco antes de engravidar, a cineasta Carla Camurati já trabalhava na criação do primeiro Festival Internacional BR de Cinema Infantil. "Mas eu já tinha o desejo de ter um filho", garante. Três meses depois de dar à luz Antônio, o projeto saiu do papel. A partir de hoje, dez filmes infantis de vários países serão exibidos em salas da rede Cinemark em São Paulo com ingressos a apenas R$ 3.Se a maternidade tem a ver com o desejo de expandir o espaço para o cinema infantil? "Fiquei grávida depois de começar a pensar no festival, mas acho que uma coisa sempre influencia a outra. A gente sempre tem a tendência de olhar para as coisas que estão perto de nós, e o desejo de maternidade já existia dentro de mim", despista Carla. Desde 29 de agosto até 23 de outubro, o festival percorrerá 14 cidades brasileiras, com foco nas crianças de 4 a 12 anos. O evento tem como parceiros a rede Cinemark, a Petrobrás Distribuidora e o Canal Futura - que promoverá, em algumas sessões, oficinas de desenho animado para grupos de 30 crianças."Gosto de trabalhar com crianças, meus filmes são quase infantis. Tive a oportunidade assistir um festival em Estocolmo super legal, feito por crianças", lembra a cineasta. "Me fez pensar porque no Brasil não se tem a chance de assistir a produção de cinema infantil de outros países. Não lembro de nenhum filme holandês ou finlandês para crianças que tenha sido exibido por aqui."Serão exibidos dois longas brasileiros (Ilha Rá-Tim-Bum e Os Saltimbancos Trapalhões), um dinamarquês (Ainda Pego Esta Alpinista), um belga (Ficção Científica), um espanhol (A Floresta Mágica), um argentino (Micaela), um holandês (Minoes - A Mulher Gato), um finlandês (Rolli - Na Terra dos Elfos) e uma co-produção da Alemanha, Dinamarca e Irlanda (Mamãe, Virei Um Peixe). Completa a programação a mostra 5 X Animação, com cinco curtas - três brasileiros (Lasanha Assassina, Tem Boi No Trilho e Disfarce Explosivo), um francês (O Trabalho do Pequeno Príncipe) e um inglês (O Urso).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.