Perdidas Ilusões/República Pureza
Perdidas Ilusões/República Pureza

Festival online do Espaço Itaú de Cinema traz 19 grandes filmes

Do total arrecadado, 20% do valor será destinado a auxiliar os profissionais do audiovisual afetados pela pandemia

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2020 | 05h00
Atualizado 17 de julho de 2020 | 13h34

Por mais que exista controvérsia quanto ao Dia do Cinema Brasileiro – 19 de junho ou 5 de novembro? –, esta sexta é importante, porque marca o início de uma promoção imperdível do Espaço Itaú de Cinema. O cinéfilo, e não apenas o paulistano, sabe que o conjunto de salas da Rua Augusta tem sido o abrigo da produção brasileira e independente internacional. Pois, neste dia 19, o Espaço inicia um festival de pré-estreias em seu site, e em parceria com a plataforma Looke Eventos Paralelos.

Serão 11 filmes brasileiros e oito estrangeiros – 19, no total. Além de numericamente privilegiar a produção nacional, e por se tratar do Dia do Cinema Brasileiro, um dos onze estará disponível gratuitamente a partir da meia-noite desta quinta, 18, ou zero hora da sexta. Piedade é o novo (grande filme) de Cláudio Assis, o mais brilhante diretor de sua geração e um gigante do cinema pernambucano – com Kleber Mendonça Filho, claro. A seleção do Espaço Itaú Play no festival de pré-estreias online, que vai até dia 29, terá filmes de São Paulo, Rio, Pernambuco, Bahia, Ceará, Minas e Rio Grande do Sul (veja a programação completa abaixo).

Os estrangeiros também são produções de sete países – Afeganistão, Alemanha, Áustria, China, França, EUA, Turquia. Destacam-se o Liberté de Albert Serra, autor catalão tão e até mais transgressor que Cláudio Assis, e, para as feministas de carteirinha, a história jamais contada da primeira cineasta do mundo, Alice Guy-Blanché. Toda essa programação riquíssima e variada estará disponível a partir de sexta, e Piedade, de graça, por um dia, para festejar não apenas o cinema brasileiro, mas a autoralidade. Só filmes de autor.

Cada um permanecerá disponível durante 48 horas, a um ingresso no valor de R$ 10, exceto Piedade, que, por ter seu primeiro dia de graça, terá mais tempo no ar. Produção da República Pureza de Marcelo Ludwig Maia e da Perdidas Ilusões de Assis e Camila Valença – os nomes das empresas já fazem sonhar –, Piedade não é bem o bairro do Recife, mas uma cidade fictícia, fronteira à metrópole que Assis (e Kleber Mendonça) retrata como espelho das desigualdades sociais que são a cara do Brasil. Uma família e seus dramas. Um grande elenco: Fernanda Montenegro, Matheus Nachtergaele, Cauã Reymond, Irandhir Santos, Gabriel Leone.

Uma praia interditada – pelos ataques de tubarões e pelo vazamento de uma tal Petrogreen, que de verde tem só o nome. A praia, não por acaso, chama-se Saudade – do tempo em que o País era outro. E há, ainda, o cinema pornô, cenário de cenas ousadas. 

Todo filme de Assis é pessoal, uma experiência no limite, mas esse é mais. “Cauã faz o papel do meu irmão que foi roubado na maternidade. Passei anos procurando esse irmão. Fernanda é minha mãe, Irandhir sou eu”, disse no debate do filme, no Festival de Brasília do ano passado.

Os demais filmes brasileiros incluem Três Verões, de Sandra Kogut, a crise brasileira retratada ao longo de três temporadas, e a apoteose, o fecho, a Verde-e-Rosa, Mangueira em Dois Tempos, de Ana Maria Magalhães. 

Em tempo: o 19 de junho foi quando o italiano Afonso Segreto fez as primeiras imagens do Brasil, captadas de um navio que chegava à baía de Guanabara, em 1898. O 5 de novembro foi celebrado durante anos porque, segundo Carlos Ortiz em sua pioneira história do cinema no Brasil, teria sido a data da primeira filmagem feita no País – pelo português Antônio Leal, em 1907. A Ancine instituiu o 19 de junho como data oficial.

Do total arrecadado, 20% do valor será destinado à Apro (Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais), para auxiliar os profissionais do audiovisual afetados pela pandemia. E, após a exibição online, os títulos desse festival entrarão em cartaz no circuito Itaú Cinemas, em datas a serem definidas posteriormente, conforme plano de retomada das autoridades sanitárias.

Programação

 

Sexta-feira e sábado, 19 e 20 de junho

  • Piedade

GRATUITO somente no dia 19 de junho, sexta-feira.

Diretor: Claudio Assis

  • Alice Guy-Blaché: a História não contada da primeira cineasta do mundo

Direção: Pamela B. Green

Sábado e domingo, 20 e 21 de junho

  • Aos olhos de Ernesto

Direção: Ana Luiza Azevedo

  • O Conto das três irmãs

Direção: Emin Alper

Domingo e segunda-feira, 21 e 22 de junho

  • Piedade

Diretor: Claudio Assis

  • Deerskin: a Jaqueta de Couro de Cervo

Direção:  Quentin Dupieux

Segunda e terça-feira, 22 e 23 de junho

  • A Febre

Direção: Maya Da-Rin

  • Três Verões

Direção: Sandra Kogut

Terça e quarta-feira, 23 e 24 de junho

  • Música para morrer de amor

Direção: Rafael Gomes

  • O orfanato

Direção: Shahrbanoo Sadat

Tudo o que sabemos sobre:
cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.