Festival no Maranhão homenageia Antônio Pitanga

São Luís é a sede, até quinta-feira, da 24.ª edição do Festival Guarnicê de Cinema e Vídeo, promovido pela Universidade Federal do Maranhão. Até a noite de entrega dos prêmios - o guarnicê, palavra-chave no folguedo do bumba-meu-boi - serão exibidos 15 longas, 35 curtas, 40 vídeos, 27 videoclipes e 32 reportagens televisivas, uma delas sobre o maranhense Ferreira Gullar.Entre os longas programados estão O Pagador de Promessas e Corisco, o Diabo Loiro, ambos em homenagem ao ator Antônio Pitanga, À Meia-Noite Levarei Sua Alma, em homenagem a Mojica Marins, Tônica Dominante, Domésticas, Kenoma, Hans Staden, A Vida em Cana e Tainá, uma Aventura na Amazônia, no Guarnicezinho, que é destinado ao público infantil.As mostras competitivas se restringem ao curta-metragem, ao vídeo, ao videoclipe e à reportagem televisiva. Nos júris oficiais estão as atrizes Bete Mendes, Malu Moraes, Cristina Prochaska e Monique Lafond, a produtora Alice Gonzaga e o cineasta Aníbal Massaini (Pelé, o Atleta do Século).Quem garimpar nas imensas listas de concorrentes nas quatro categorias (e também nas mostras informativas), encontrará realizações de empenho cultural dignas de todas as atenções. É o caso de A Resistência do Sonho, de Joel de Almeida, sobre o cinema que o jogador Vampeta restaurou em Nazaré das Farinhas, interior da Bahia; O Jeito Brasileiro de Ser Português, do grupo Nós do Morro, do Rio; A Ilha de Jorge, sobre o processo de criação de Ilha das Flores pelo Jorge Furtado (Mauro Giuntini, DF); Eu Sou o Servo, média-metragem que reconstrói a trajetória do padre Ibiapina (correspondente paraibano de padre Cícero), dirigido pelo dramaturgo Eliézer Rolim (PB), e A Oxum mais Bonita, saudação a Mãe Menininha do Gantois (Jacyra Oswald, BA).Outras atrações são o desenho animado Os Idiotas Mesmo, do gaúcho Allan Sieber, sátira publicitária que homenageia o ator Paulo César Pereio; Chateaubriand - Cabeça de Paraíba, de Marcos Manhães (RJ), Haroldo Maranhão, produzido pela atriz Célia Maracajá (de O Mágico e o Delegado); Donzela, recriação de crônica de Luis Fernando Verissimo sobre moça mentirosa, e o documentário Mira (produção de alunos brasileiros da Escola Internacional de Cinema e TV de Cuba).Dois realizadores terão espaço nobre no festival: o pernambucano Camilo Cavalcante (com o curta O Velho, o Mar e o Lago e o vídeo Amorte) e o maranhense Murilo Santos (com o curta Rosas e os vídeos O Pequeno Imperador e O Índio de antes, de agora em Diante). Cavalcante, do movimento Árido Movie, revela surpreendente capacidade para escrever diálogos. Foi assim no premiadíssimo Outros, do gaúcho Gustavo Spolidoro, e deve ser no longa Arido Movie, que prepara com Lírio Ferreira.A programação do 24.º Guarnicê inclui eventos musicais. Além do concurso de videoclipe - que tem entre os concorrentes três trabalhos (Linda Flor, Kumbaya e Bela Mocidade) de Fernando Bicudo, ex-diretor do Municipal Rio e atual coordenador do Teatro Arthur Azevedo --, haverá recitais de música lírica e popular, funções folclóricas (bumba-meu-boi, tambor de crioula) e mostra de filmes e vídeo musicais, como Luiz Gonzaga, a Luz do Sertão (Rose Maria, PE), João do Vale, Poeta e Cantador (Weriton Kermes e Francisca Alencar, SP), São João na Roça (Denison Siamantino, MG), Cordel, Arte Que Vive (Angélica Bastos, PE), e Zambé Cocos (Cláudio Cavalcante, RN).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.