Festival do Rio divulga sua vitrine do cinema nacional

Anunciada a seleção da "Première Brasil", do Festival do Rio, que contempla este ano 26 longas e 23 curtas dos mais diferentes estilos e procedências. Eles deverão fornecer o que tem sido a tônica que já transformou a "Première Brasil "na maior vitrine anual da produção nacional - um retrato atualizado das novas tendências do cinema brasileiro.Os curtas selecionados são: "Eletrodoméstica", de Kléber Mendonça, que vai passar fora de concurso, e os títrulos da competição, "14 Bis", de André Ristum; "A Balada das Duas Mocinhas de Botafogo", de João Caetano Feyer e Fernando Valle, "A Miss e o Dinossauro", de Helena Ignez; "Acossada", de Karen Akerman e Karen Black; "Alguma Coisa Assim", de Esmir Filho; "Berlinball", de Anna Azevedo; "Início do Fim", de Gustavo Spolidoro; "Joyce", de Carolina Leone; "Irmãos Collyer", de Alfreu França; "Mataram Meu Gato", de Ana Rieper e Maria José Freire; "Mauro Shampoo, Jogador, Cabeleireiro e Homem", de Paulo Henrique Fontenelle e Leonardo Cunha; "Multiplicadores", de Renato Martins e Lula Carvalho; "O Caderno Rosa de Lory Lamb", de Sung Sfai; "O Som da Luz do Trovão", de Petrônio Lorena e Tiago Scorza; "Quando o Tempo Cair", de Selton Mello; "Santa de Casa", de Allan Sieber; e "Yansan", de Eduardo Nogueira."Eu Me Lembro", de Edgard Navarro, grande vencedor de Brasília, no ano passado, é a pérola das ficções que passam fora de concurso. Os que competem são: "Antônia", de Tatá Amaral; "Noel", de Ricardo Van Steen; "O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias", de Cao Hamburger; "O Céu de Suely", de Karin Aïnoiuz, que será o representante brasileiro no Festival de Veneza; "O Cheiro do Ralo", de Heitor Dhalia; "O Passageiro - Segredos de Adulto", de Flávio Ramos Tambellini; "Proibido Proibir", de Jorge Durán; "Querô", de Carlos Cortez; "Sonhos e Desejos", de Marcelo Santiago. O Festival do Rio começa em 21 de setembro e vai até 5 de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.