Festival do Rio BR 2000 anuncia atrações

O Festival do Rio BR 2000, que começa em outubro, irá trazer cerca de 400 filmes distribuídos em mais de 20 mostras, o maior circuito de festival do País. O evento é fruto de uma fusão da Mostra Rio com a Rio Cine Festival ocorrida no ano passado. Além da exibição de filmes, voltam os debates sobre a indústria cinematográfica, com representantes das maiores distribuidoras estrangeiras, e workshops. A programação está mais diversificada que a da mostra anterior. Este ano, o público poderá assistir a filmes de diretores como Clint Eastwood, Bigas Luna e John Waters, o polêmico diretor de Polyester, presença confirmada no evento. Estão mantidas as consagradas mostras Mundo Gay, Midnight Movies, de filmes bizarros, e a Première Brasil, exclusiva para as pré-estréias nacionais. As novidades ficam por conta da Première América, que traz as grandes produções americanas e as mostras Ventos do Oriente, Geração Futura e a Via Digital, com filmes realizados em câmeras digitais e reproduzidos em película.São 30 salas ao todo para exibição dos clássicos e inéditos dos EUA, Europa, América Latina e o Oriente, que ganha uma mostra especial graças às boas surpresas apresentadas nos festivais internacionais, como Eureka, do japonês Aoyama Shinji - vencedor do prêmio da crítica em Cannes. No festival deste ano, os diretores decidiram trazer de vez os arrasa-quarteirões norte-americanos, exibindo títulos como Shaft, de John Singleton e Cowboys do Espaço, de Clint Eastwood, que teve uma passagem meio tímida por aqui. Para os puristas do cinema alternativo, a retrospectiva John Waters traz a obra completa de um dos mais irreverentes diretores americanos, inclusive o ultra trash Pink Flamingos e Polyester, que marcou pelos "odoramas", espécies de raspadinhas com cheiro, distribuídos durante as sessões do filme.A programação também dá ênfase aos mais premiados na mostra Panorama Do Cinema Mundial. Em destaque: Crônica da Inocência, de Raoul Ruiz, Cradle Will Rock, de Tim Robins, Alta Fidelidade, de Stephen Frears, O Pequeno Ladrão, de Erick Zonka, A Viúva de Saint-Pierre, de Patrice Leconte, que está em cartaz no Rio com A Mulher e o Atirador de Facas. O já tradicional mote homossexual mantém sua mostra particular, a Mundo Gay e o cinema britânico ganhou outra, a Foco UK, com atenção especial a profusão de suas últimas produções, como Pão e Rosas, de Ken Loach. Praia e cinema - Lars Von Trier fez mais que ganhar a Palma de Ouro e apresentar a Björk ao mundo como atriz, com o seu Dancer in the Dark. Ele levantou a discussão sobre a entrada da imagem digital no universo tradicional da película. Como o mundo cinematográfico definitivamente se rende às câmeras digitais, o festival do Rio não podia deixar de registrar o acontecimento. As projeções na praia, grande atração do evento, serão em Copacabana com apresentação de longas e curtas brasileiros de ficção.O nome do festival ganhou o BR graças ao prêmio oferecido pela Petrobras, R$ 300 mil no total, aos melhores filmes nacionais. O patrocínio da empresa chega a R$ 3 milhões. Para a Première Brasil, foram selecionados 14 filmes nacionais, sendo 7 longas de ficção , seis na categoria documentário e um hors concours, Milagre em Juazeiro, de Wolney de Oliveira. A mostra ocupará o Cine Odeon em sessões de gala e outras, públicas onde os espectadores escolherão os melhores títulos. O cinema foi todo reformado, no estilo arquitetônico dos anos 20, especialmente para o Rio BR. O Rap do Pequeno Príncipe Contra as Almas Sebosas é o título mais reconhecido da seleção de documentários. Ele obteve ótima aceitação da crítica com sua linguagem de clip e uma proposta bem diferente da situação nas favelas. Na categoria ficção, nomes consagrados e gente nova: A Hora Marcada, de Marcelo Taranto, Brava Gente Brasileira, de Lúcia Murat, Bufo e Spallanzani, de Flávio Tambellini, Deus Jr, de Mauro Lima, Tainá, Uma Aventura Amazônica, de Tânia Lamarca e Sérgio Bloch., Tolerância, de Carlos Gerbase e Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanski.O Festival do Rio BR 2000 é uma realização do grupo Estação e CIMA e do Centro de Cultura, Informação e Meio Ambiente. O festival será realizado entre os dias 5 e 18 de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.