Festival do Rio 2004 termina hoje com premiação

O Festival do Rio 2004 termina esta noite no Cine Odeon BR, com a premiação dos vencedores das duas mostras competitivas - a Première Brasil e a Première Latina. O festival prossegue de amanhã até a próxima quinta-feira com a chamada repescagem, que dá ao público a última chance de ver os melhores filmes do evento. A ênfase vai para os filmes que ainda não foram comprados para o País e figuram nas listas de preferidos do público e dos críticos.Vera Drake, de Mike Leigh, é um deles. Mike Leigh conta ter ficado frustrado quando o filme não integrou a mostra competitiva do Festival de Cannes, em maio. A frustração revelou-se a glória de Veneza, onde Vera Drake ganhou não apenas o Leão de Ouro, mas também valeu a Imelda Stanton a Taça Volpi de melhor atriz. No filme, a personagem é uma mulher que pratica abortos clandestinos. Apesar dessa atividade, Vera Drake leva uma vida perfeitamente responsável (e respeitável) com a família. Descoberta, ela vê seu universo familiar ameaçado. O assunto de mulheres de Mike Leigh, na verdade, retoma o olhar do diretor sobre a família, que já foi tema do seu (agora) clássico Segredos e Mentiras.O Festival do Rio exibiu outros programas atraentes nos últimos dias. Jornada da Alma, do italiano Roberto Faenza, pode não ser exatamente um filme impecável, mas a história da relação de Jung com sua paciente mais famosa, Sabina Spielrein, evoca um dos capítulos célebres da psicanálise e permite discutir a relação médico-paciente, a arte e até o comunismo, já que Sabina foi perseguida, ao tornar-se psicanalista, na antiga União Soviética. E houve também O Mercador de Veneza de Michael Radford, o diretor de O Carteiro e o Poeta, que coloca Al Pacino na pele de Shylock e tem o reforço de Jeremy Irons e Joseph Fiennes no elenco.Mas o Festival do Rio não é feito só de projeções. Uma série de seminários tem debatido temas como a Ancinav e as questões da produção e da distribuição no cinema brasileiro. Na terça-feira, diretores, produtores e distribuidores, incluindo Gustavo Dahl, Luiz Carlos Barreto e Bruno Wainer (da Lumière), entre muitos outros, discutiram a sempre delicada questão do mercado e a necessidade de subsídios para estimular a distribuição e a exibição. Como ninguém é de ferro, ontem teve pelada (de futebol) no Maracanã e convidados estrangeiros foram levados ao Pavão-Pavãozinho para ver, dentro do projeto Criança Esperança, a projeção de filmes especiais para as platéias infantis.__________________________________________________

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.