Kirsty Wigglesworth/ AP
Kirsty Wigglesworth/ AP

Festival de Veneza: Trauma e música pop colidem em 'Vox Lux', de Natalie Portman

Atriz vive uma pop star mimada com um passado turbulento

Robin Pomeroy e Hanna Rantala, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2018 | 11h38

Em 2010, Natalie Portman inaugurou o Festival Internacional de Cinema de Veneza na pele de uma bailarina atormentada em Cisne Negro – papel que lhe rendeu um Oscar.

Ela voltou nesta terça-feira, 4, com Vox Lux, no qual vive uma pop star mimada com um passado turbulento.

Esse passado surge nas cenas inicias do filme, nas quais a protagonista Celeste, interpretada por Raffey Cassidy, de 14 anos, vê sua vida transformada por um ataque a tiros em uma escola que a deixa ferida e psicologicamente marcada.

Uma canção que Celeste canta em uma homenagem aos mortos televisionada a catapulta ao sucesso, condenando a menina doce a se tornar uma princesa pop infantilizada agenciada pelo personagem de Jude Law, que oscila entre o protetor e o desprezível.

Falando antes da estreia mundial, Natalie disse que Vox Lux foi “um retrato e uma reflexão de nossa sociedade e este tipo de intersecção de cultura pop e violência e o espetáculo que equacionamos entre os dois”.

Classificando a frequência dos massacres em escolas dos Estados Unidos como “uma espécie de guerra civil”, ela acrescentou: “O impacto psicológico do que isso significa para cada criança, cada pai que leva os filhos todos os dias... pequenos atos de violência podem criar um tormento psicológico generalizado”.

O roteirista e diretor Brady Corbet, que conquistou prêmios em Veneza em 2015 por sua estreia com The Childhood of a Leader, disse que a personagem de Natalie “realmente não foi concebida para ser um monstro”.

“Ela é tanto uma vítima da era quanto uma líder da era... o filme trata muito do fato de que o século 20 foi marcado pelo termo ‘a banalidade do mal’ e o século 21, acho, será definido pela ‘espetacularização do mal’”.

Com canções compostas pela cantora e compositora australiana Sia, Vox Lux é um dos 21 filmes competindo pelo Leão de Ouro, que será entregue no dia 8 de setembro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.