Festival de Veneza se rende a Hollywood

Moritz de Hadeln, o novo diretor do Festival de Cinema de Veneza, disse ao jornal italiano Corriere della Sera que o Leão de Ouro - prêmio máximo do evento - perdeu seu valor. A três dias do início da 59º edição do festival, De Hadeln, que durante 20 anos esteve à frente do Festival de Berlim, disse que Veneza precisa ser mais interessante; que os filmes apresentados são esotéricos demais e os critérios de qualidade são discutíveis, deixando sua seleção aquém dos outros eventos mundiais do gênero.Depois da crítica, o novo diretor prometeu que tudo vai mudar. De Hadeln, de 62 anos, pretende fazer alterações radicais na mostra. E elas já podem ser vistas pela lista dos filmes selecionados. Produções coreanas e chinesas, por exemplo, deram lugar às de Hollywood. "O cinema não é só arte, é também indústria", explicou ao jornal o diretor. Segundo ele, sua gestão pode ser resumida em quatro palavras. "Muitas estrelas, pouco Oriente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.