DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Festival de Veneza restaura versão do clássico 'Amarcord'

Obra de Fellini recebeu material inédito por Giuseppe Tornatore

AE, O Estado de S. Paulo

04 Setembro 2015 | 22h15

No começo de sua carreira, Federico Fellini ganhou o Leão de Prata do Festival de Veneza por seu segundo longa solo, La Strada/A Estrada da Vida. Foi em 1954. Para este sábado, 5, à noite, e quase 22 anos após sua morte – em outubro de 1993, aos 73 anos –, Veneza, que abriga atualmente o mais antigo festival do mundo, esteve preparando o tapete vermelho para honrar o grande diretor. 

O destaque na mostra do Lido seria a exibição da versão restaurada de Amarcord, que recebeu o Oscar de filme em língua estrangeira de 1975 e, um ano depois, foi indicado para o prêmio da Academia de Hollywood nas categorias melhor diretor e roteiro original. A sessão solene, em presença dos atores e técnicos que sobreviveram, teria a apresentação de material inédito, que também foi recuperado.

Participaram do projeto de restauração da obra-prima – que devolveu a beleza dos figurinos e cenários elaborados por Danilo Donati e revitalizou a trilha do genial Nino Rota, parceiro de Fellini em vários longas –, a Cinemateca de Bolonha e o site de venda online Yoox.

A empresa emitiu um comunicado em que diz que o restauro vai permitir que os fãs de Fellini redescubram uma de suas joias cinematográficas mais conhecidas e ainda desfrutem dela com melhor qualidade de imagem e som. O comunicado acrescenta que o material inédito foi editado por outro conceituado diretor, Giuseppe Tornatore, a quem se deve o cultuado Cinema Paradiso. São dez minutos de imagens sem áudio e conteúdos coletados das mais de 30 horas de negativos que permaneciam depositados em Cinecittà. São as sobras da montagem de Fellini.

Amarcord, dialeto que designa ‘amare ricordare’, ou ‘amo lembrar’, reconstitui ficcionalmente a infância do grande diretor em Rimini, sob o fascismo. Traz figuras inesquecíveis – Gradisca, a freira anã, o tio louco. O projeto de recuperação foi realizado no Laboratório L’Immagine Ritrovata, que tem sido parceiro da ONG de Martin Scorsese na recuperação de grandes clássicos do cinema. O negativo foi escaneado em resolução 4K sob a orientação do diretor de fotografia Giuseppe Rotunno, que acompanhou o processo e certificou a fidelidade em relação à obra original. Também colaboraram a prefeitura de Rimini, a empresa produtora Cristaldo Film e a distribuidora norte-americana Warner Bros. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Mais conteúdo sobre:
CinemaFestival de Veneza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.