Thomas Peter/ Reuters
Thomas Peter/ Reuters

Festival de Veneza mantém datas e critica Cannes por indefinição

Mostra de cinema acontecerá entre 2 e 12 de setembro

Redação, Ansa

20 de abril de 2020 | 11h44

A Bienal de Veneza confirmou nesta segunda-feira, 20, a realização de sua 77ª Mostra Internacional de Arte Cinematográfica entre os dias 2 e 12 de setembro, apesar da pandemia do novo coronavírus.

Junto com Berlim, realizado entre 20 de fevereiro e 1º de março, e Cannes, adiado em função da crise sanitária, Veneza forma a tríade dos principais festivais de cinema da Europa.

Em coletiva de imprensa nesta segunda, 20, o presidente da Bienal, Roberto Cicutto, disse que a mostra pode ser um "grande laboratório" para a gestão das salas de cinema na Itália em meio à pandemia.

"Acredito que o festival possa ter uma extraterritorialidade em relação às medidas de segurança, um sinal que depois pode se estender a outras salas", afirmou.

Ele ainda criticou o Festival de Cannes por não decidir o que fazer com a edição do evento em 2020. "Tudo é possível, mas acho desconcertante que Thierry Frémaux [diretor do festival] diga que continua a estudar e não diga o que quer fazer", acrescentou, respondendo aos jornalistas sobre uma eventual colaboração entre as duas mostras.

"Nós vamos em frente com o nosso programa. Se Cannes ainda está pensando, então não tem diálogo. Não há nenhuma hipótese hoje", disse.

Por outro lado, a Bienal de Veneza adiou seus festivais de Teatro e de Dança Contemporânea para 14 a 24 de setembro e para 13 a 25 de outubro, respectivamente. Os eventos aconteceriam entre 29 de junho e 13 de julho e de 5 a 14 de junho. A Bienal de Arquitetura, que começaria em 23 de maio, já havia sido adiada para 29 de agosto. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.