Elise Ryan/AP Photo
Elise Ryan/AP Photo

Festival de Tribeca: Taylor Swift fala sobre estreia como diretora

Cantora também tocou violão após exibição de 'All Too Well: The Short Film', curta inspirado na música de seu álbum 'Red'

Elise Ryan, AP

12 de junho de 2022 | 17h42

Fãs do lado de fora do Beacon Theatre de Nova York cantavam as músicas de Taylor Swift antes que ela chegasse. Essa energia permaneceu durante sua passagem pelo 21º Festival de Tribeca no sábado, 11, onde Swift discutiu a transição para a função de diretora, as nuances da narrativa visual e a possibilidade de futuros projetos de filmes com Mike Mills, escritor e diretor de Sempre em Frente e Mulheres do Século 20, antes de surpreender os fãs com convidados especiais e uma apresentação acústica.

Não foi a primeira vez de Swift no palco de um festival de cinema – seu documentário da Netflix Miss Americana estreou em Sundance em 2020 – mas foi sua primeira vez como diretora. E quando Swift e Mills compararam e dissecaram seus processos, ficou claro que era uma honra que ela não levava a sério. “Eu sempre pensei que era algo que outras pessoas faziam”, disse Swift sobre a direção. Estando nos sets e fazendo videoclipes, “as listas de coisas que eu estava absorvendo ficaram tão longas que eventualmente, eu pensei, eu realmente quero fazer isso”.

Seu filme de 13 minutos, All Too Well: The Short Film, foi um produto desse processo de aprendizagem. Lançado em novembro ao lado de seu último álbum regravado, Red (Taylor’s Version), o vídeo coloca imagens e uma história ficcional em uma versão estendida de All Too Well, queridinha dos fãs de seu álbum Red (2012). Desde o seu lançamento, o vídeo acumulou mais de 67 milhões de visualizações no YouTube.

Com o filme, Swift disse que esperava explorar a infância através das lentes de alguém que é curioso e maduro, mas que se encontra fora de sua profundidade em um relacionamento. É um sentimento que ela pode se identificar, o qual comparou a entrar no oceano. “É tão divertido, a ideia de ir tão fundo que seus pés não tocam o chão, mas você pode ser arrastado.” Essa tensão era algo que ela queria que as pessoas sentissem enquanto assistiam ao casal protagonista.

“Eu queria que parecesse que a queda deles juntos era inevitável e que sua separação era inevitável”, disse Swift. “Eles não podiam parar de bater de frente e não podiam evitar que se desmanchassem.” Os atores Sadie Sink e Dylan O’Brien foram os instrumentos de Swift para executar essa visão. Com foco nos detalhes da filmagem, Swift explicou por que ela procurou Sink e O’Brien especificamente para seus papéis e as conversas que eles compartilharam na criação dos personagens.

Foi um processo, Mills e Swift observaram, que espelhava e divergia do processo de composição. Sink e O’Brien surpreenderam o público no meio do caminho ao se juntarem a Swift e Mills no palco, estreitando as motivações de seus personagens e como Swift os dirigiu ao retratar o relacionamento tenso no centro do filme.


“Não havia um roteiro ou movimento definido que você tivesse que seguir, então havia tanta liberdade, e acho que foi assim que conseguimos momentos tão reais”, disse Sink. “Ela possui essas qualidades inatas em um diretor”, disse O’Brien. “Verdade, capacidade de decisão, confiança.”

Swift está entre os vários palestrantes e atrações do Festival de Tribeca. O festival abriu com Halftime da Netflix, um documentário íntimo sobre Jennifer Lopez no ano em que ela completou 50 anos e coliderou o Super Bowl.

A palestra de Swift foi uma das poucas aparições públicas que a cantora fez este ano. A mais recente foi seu discurso na formatura da NYU em 2022 – fala que Mills acredita que poderia funcionar como uma carta para um futuro diretor de cinema. “Em sua vida – sua vida como diretor de cinema – você inevitavelmente falará errado, confiará nas pessoas erradas, reagirá de forma insuficiente, exagerada,... e eu não vou mentir, esses erros vão fazer com que você perca coisas”, ele leu, citando o discurso de Swift. “Que coisa linda de se dizer.”

Reconhecendo seu privilégio como cineasta com uma plataforma disponível e a capacidade de financiar seus próprios projetos, Swift disse que a ideia de perder coisas voltou ao que catalisou este filme originalmente – o processo de regravação de seus álbuns, que começou porque ela não era capaz de possuir suas gravações master.

“Eu acho que quando eu estava falando sobre perder coisas, isso não significa apenas perder”, disse ela. Quando questionada sobre futuros projetos de direção, Swift não descartou a possibilidade de dirigir um longa-metragem, mas disse que não necessariamente gostaria que a escala de seu próximo projeto de filme fosse muito maior do que este. “Seria tão fantástico escrever e dirigir algo.”

Ela manteve suas raízes ao encerrar o evento, pegando um violão vermelho para uma performance acústica da estendida All Too Well pontuada pelos aplausos de público emocionado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.