Festival de Toronto termina com elogios a "Volver" e "Babel"

A 31.ª edição do Festival de Cinema de Toronto terminou neste sábado consagrando os filmes "Volver", do espanhol Pedro Almodóvar e "Babel", do mexicano Alejandro González Iñarritu. A decepção das superproduções foi "A Grande Ilusão".O filme "Amazing Grace", de Michael Apted, drama histórico sobre a luta para abolir a escravidão no Reino Unido, fechou o festival, que exibiu um total de 352 filmes de 61 países em dez dias.O Festival de Toronto é considerado pelos críticos uma oportunidade para conhecer antecipadamente os filmes que poderão entrar na disputa pelo Oscar. Tanto o público como os críticos elogiaram "Volver" e "Babel", além de "O Labirinto do Fauno", do mexicano Guillermo del Toro.Os críticos reunidos em Toronto são unânimes em apostar que "Volver" terá três indicações ao Oscar: melhor filme estrangeiro, melhor diretor e melhor atriz (Penélope Cruz).Para o crítico Clint O´Connor, do jornal "The Plain Dealer", de Cleveland, "Babel" é outra grande vencedora do festival e "uma experiência bela, comovente, artística" que, filmada em japonês, árabe, espanhol e inglês, conta com atores do porte de Brad Pitt e Gael García Bernal.A revista "Hollywood Reporter" se desfaz em elogios para o conto de fantasia e horror "O Labirinto do Fauno".Outros filmes que atraíram elogios neste festival foram "Little Children", de Todd Field, e "Stranger than Fiction", de Marc Foster, na qual o inspetor interpretado por Will Ferrell descobre que é apenas o personagem de um romance e que sua autora - que tem a voz de Emma Thompson - planeja eliminá-lo.O elemento surpresa foi "Borat", cômicas aventuras do jornalista cazaque, anti-semita e desbocado, criado pelo britânico Sacha Baron Cohen.Por outro lado, alguns dos filmes que geraram expectativas no final decepcionaram, como o esperado "A Grande Ilusão", de Steven Zaillian, um "remake" do vencedor do Oscar de melhor filme em 1949 e protagonizado por Sean Penn, Jude Law e Kate Winslet.O vencedor da Palma de Ouro de Cannes, "The Wind that Shakes the Barley", de Ken Loach, teve uma recepção bem diferente neste festival, onde alguns críticos se retiraram durante a projeção.Um dos filmes mais falados a princípio, o falso documentário britânico "Death of a President", que parte da premissa do assassinato do presidente George W. Bush em 2007, não fez muito sucesso. "´Death of a President´ não tem a inteligência necessária para zombar de seus alvos conservadores, muito menos para explorar o potencial ou as implicações de sua própria premissa", segundo Manohla Dargis, crítica do jornal "The New York Times". O favorito do público foi a comédia romântica mexicana "Bella", de Alejandro Gómez Monteverde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.