Festival de Toronto não ajuda a prever indicados ao Oscar

Por Steven Zeitchik and Borys Kit TORONTO (Hollywood Reporter) - Neste ano, o festival deToronto não serviu como prévia para o Oscar. Desde que ocalendário dos prêmios da Academia foi encurtado, em 2003, ofestival canadense serve somente para separar os competidoresdos pretendentes. No passado, o festival de Toronto alimentou as chances deForrest Whitaker ganhar o Oscar por "O Último Rei da Escócia",além de chamar atenção para futuros indicados ao Oscar demelhor filme, como "Desejo e Reparação" e o vencedor "Onde osFracos Não Têm Vez". Toronto também jogou um balde de água frianas esperanças de filmes como "A Grande Ilusão". Mas, neste ano, poucos filmes chamaram a atenção. "Nunca vium festival de Toronto tão sem cara de Oscar", disse umexecutivo. "Já passamos da metade do festival e ainda nãofazemos idéia de quais serão os favoritos ao Oscar." Em vez de premiar filmes, Toronto está servindo paraincrementar as perspectivas comerciais de blockbusters como"Nick and Norah's Infinte Playlist", "Queime Depois de Ler" e"Zack and Miri Make a Porno". A redução do número de filmes é uma das razões pelas quaistão poucos filmes se destacaram na temporada de premiações. Outro fator: muitos estúdios seguraram os filmes porquestões estratégicas ou porque simplesmente não estavamprontos. Alguns vencedores em potencial (como "Milk", "TheCurious Case of Benjamin Button", "A Troca" e "Austrália") nãoestão participando. Fora isso, filmes como "The Duchess" e "The Burning Plain",embora tenham moderados elogios, não conseguiram chamar muitaatenção. Já títulos que dominaram o festival de Cannes em maio--como "Che", "Ensaio sobre a Cegueira" e "Synecdoche, N.Y"--fizeram pouco para repetir o feito em Toronto. Mas o festival de Toronto pode ter ajudado em pelo menosuma categoria: a de melhor atriz. Entre as que se destacam,Anne Hathaway, em "Rachel Getting Married"; Sally Hawkins, em"Happy-Go-Lucky"; e a garota Dakota Fanning, em "The SecretLife of Bees". Reuters/Hollywood Reporter

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.