Festival de Gramado chega na reta final

Com a edição de 2006 entrando na reta final, já se pode falar de um balanço positivo para o Festival de Gramado deste ano. Com alguns senões, houve média boa de qualidade entre os selecionados tanto da mostra latina quanto da brasileira. O boliviano "Dí Buen Dia a Papá" e o brasileiro "Sonhos e Esperanças" decepcionaram. Mas em qualquer festival do mundo se encontram filmes de presença inexplicável, pelo menos para a maioria dos críticos. E mesmo assim, sempre há quem goste de exotismos. Mesmo dando esse desconto, há que destacar a bela presença de filmes como os mexicanos "El Violin", até agora o favorito dos jornalistas, e o interessante "Mezcal". E, pelo lado brasileiro, o controverso, porém intenso, "Serras da Desordem", e o necessário "Atos dos Homens". Outro documentário, "Pro Dia Nascer Feliz", já participou de tantos festivais, que se torna até desnecessário falar sobre ele. Está presente em Gramado porque os novos curadores, Sérgio Sanz e José Carlos Avellar, entendem que o critério de ineditismo é dispensável aos festivais. No âmbito da ficção brasileira, o destaque fica para "Anjos do Sol", intenso em sua denúncia da prostituição infantil, um dos crimes que se cometem neste país e o envergonham perante a comunidade mundial. Mas vale dizer que o ponto alto foram os documentários, embora "Anjos do Sol" tenha tudo para ganhar o prêmio principal desta edição. Documentários estão em alta no Brasil e têm comparecido em número expressivo aos festivais. Por duas razões: pela qualidade, claro, mas também porque são um tipo de cinema sem tantos compromissos econômicos de lançamento como os filmes de ficção. O "cinema do real" pode, assim, arriscar-se mais na vitrine dos festivais porque não tem nada a perder em caso de fracasso e pode lucrar com uma vitória, ou com a simples exposição na mídia. Interessante também a seleção de curtas, com destaque para os criativos "Manual para Atropelar Cachorros" e "No Princípio Era o Verbo", além do sensível "O Quintal dos Guerrilheiros".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.