Divulgação
Divulgação

Festival de cinema Ecofalante vai debater o meio ambiente

O próprio Sebastião Salgado inaugura a mostra nesta quarta-feira, 18, com o documentário em sua homenagem, ‘O Sal da Terra’

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

17 Março 2015 | 17h22

Como preparativo para o recente Festival de Berlim, o então presidente do júri, o cineasta Darren Aronofsky - de Noé -, deu uma entrevista dizendo que não existe, no contexto atual, tema mais importante que a questão ambiental. No final, o júri dele não levou a sério o próprio conceito e não atribuiu os prêmios maiores a nenhum filme ligado nos temas do meio ambiente, incluindo o maior de todos na Berlinale de 2015 - El Botón de Názcar, do chileno Patricio Guzmán. Mas a advertência de Aronofsky permanece. Merece ser lembrada nesta quarta-feira, 18 - a partir de quinta, 19, para o público -, em que começa na cidade o 4.º Ecofalante, Festival de Cinema Ambiental.

Para abrir o evento, numa sessão exclusiva para convidados, foi escolhido o documentário O Sal da Terra, de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, sobre o fotógrafo Sebastião Salgado, pai do segundo. Muitas vezes discutido por cosmetizar/estetizar a miséria, Sebastião clicou o formigueiro humano de Serra Pelada e, depois, desenvolveu séries antológicas - Trabalhadores Rurais, Êxodus, Gênesis. Sua preocupação o levou a recuperar uma imensa área desmatada no interior do Brasil, desenvolvendo um projeto socioambiental dos mais significativos.

O próprio Salgado estará na cidade para a inauguração do Ecofalante, que vai prosseguir até dia 29, exibindo filmes de 23 países. A programação contempla 65 títulos e o diretor do evento, Chico Guariba, destaca que o critério de seleção é artístico. Só depois, um grupo de curadores que trabalha com ele estabelece as linhas temáticas, que este ano são seis - cidades, energia, biodiversidade, recursos naturais, consumo e povos e lugares. O objetivo é sempre transformar o evento em plataforma para debate de questões essenciais.

A mostra Contemporânea, com 32 filmes, é a menina dos olhos da seleção. A Latino-americana inclui quatro brasileiros (num total de 12). A crise da água ganha um segmento específico e o 4.º Ecofalante pela primeira vez transforma a homenagem a um grande autor em retrospectiva. Mesmo que não seja completa, a retrospectiva de Jorge Bodanzky, com sete filmes, contempla o novo longa do diretor, No Meio do Rio, i, e seu clássico Iracema, Uma Transa Amazônica, de 1974. Misto de documentário e ficção, Iracema foi alvo da censura do regime de exceção. É um filme que subverte tudo, a ideia romântica da virgem dos lábios de mel de José de Alencar e a Transamazônica, que os militares viam como rodovia de integração nacional, por meio do motorista de caminhão que se envolve com prostituta.

DESTAQUES

 ‘O Experimento Humano’

De Dana Nachman e Don Hardy, sobre pessoas que militam contra a indústria química. Produzido e narrado por Sean Penn

 ‘A Tragédia do Lixo Eletrônico’

De Cosima Dannoritzer, sobre a imensa quantidade de detritos poluentes que é despejada ilegalmente em países do Terceiro Mundo

 ‘Cadeias Alimentares’

De Sanjay Rawai, sobre trabalhadores rurais explorados por grandes empresas

 ‘Os Jogos de Putin’

De Alexander Gentelev, sobre a corrupção e megalomania da Olimpíada de Sochi, formatada para celebrar o atual czar da Rússia

Mais conteúdo sobre:
Cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.