Festival de Cinema de Miami premia diversidade brasileira

O 10° Festival de Cinema Brasileiro de Miami terminou na noite de sábado, no Jackie Gleason Theater, premiando Achados e Perdidos, de José Joffily, como melhor filme. ?Houve muito debate e os jurados também cogitaram o longa-metragem Árido Movie, de Lírio Ferreira. Mas resolveu dar o melhor prêmio a Joffily por achar que ele representa uma natureza profissional do cinema mais definida", declarou Roberto Farias, presidente do júri. O filme de Ferreira acabou levando o troféu Lente de Cristal de melhor direção. Zezé Polessa foi eleita a melhor atriz pelo papel da prostituta Magali, em Achados e Perdidos. Matheus Nachtergaele levou o merecido prêmio de melhor ator por Tapete Vermelho, de Luiz Alberto Pereira. Questionado se a premiação havia sido pulverizada entre os concorrentes, Farias concordou que sim. ?Como presidente, não voto e não quis interferir na decisão do júri, mas os prêmios foram bem escolhidos. Crime Delicado e Achados e Perdidos, por exemplo, são filmes universais que podem se passar em qualquer lugar. Já Árido Movie é mais localizado, traduz o profundo amor de Lírio Ferreira pelo cinema e pela cultura pernambucana?, completou o diretor e produtor. Crime Delicado, de Beto Brant, que teve a atriz Lilian Taublib como representante no festival, levou dois prêmios: melhor roteiro (para Brant Marçal Aquino, Marco Ricca, Mauricio Paroni de Castro e Luiz Carvalho Filho) e melhor fotografia, para Walter Carvalho. Se depender das criadoras e diretoras do festival, Adriana e Cláudia Dutra e Viviane Spinelli, o modelo de festival vai crescer no mercado americano, europeu e asiático. ?Além do festival de Nova York, que acontece em agosto, vamos inaugurar o primeiro festival de Cinema Brasileiro de Barcelona, em setembro. Teremos também uma mostra dentro da programação do Festival Internacional de Shangai, em dezembro", adiantou Adriana. Homenagens e escolha do públicoEm sua décima edição, o Festival de Cinema Brasileiro de Miami homenageou o diretor Nelson Pereira dos Santos e a atriz Betty Faria. Ela recebeu na noite de sexta-feira o troféu Lente de Cristal e cantou Esses Moços, de Lupicínio Rodrigues, e Eu Queria que Você Soubesse, de Gonzaguinha. O público elegeu como melhor filme Irma Vap - O Retorno, de Carla Camurati, que também levou a melhor direção de arte para Marcos Flaksman. O melhor curta na escolha foi Alô Tocayo, de Lula Carvalho e Renato Martins, que aproveitam a viagem a Miami para filmar o longa-metragem Ojalá. A melhor edição foi para Jogo Subterrâneo, de Roberto Gervitz, melhor som direto ficou com Coisa Mais linda - Histórias e Casos da Bossa Nova, de Paulo Thiago, que também levou o prêmio Orgulho de Ser Brasileiro (oferecido pela companhia aérea TAM). Mulheres do Brasil, de Malu de Martino, levou a melhor edição de som. Malu também recebeu o Prêmio Especial do Júri. O Prêmio Mídia (escolha da mídia norte-americana) ficou com Depois Daquele Baile, de Roberto Bomtempo. A repórter viajou a convite da organização do festival.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.