Cleiton Thiele/Agência Pressphoto
Cleiton Thiele/Agência Pressphoto

King Kong en Asunción, de Camilo Cavalcante, é grande vencedor do Festival de Cinema de Gramado

Transmitido virtualmente, evento precisou passar por adaptações devido às restrições impostas pelo novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2020 | 22h13

O filme King Kong en Asunción, do cineasta Camilo Cavalcante foi o grande vencedor do 48º edição do Festival de Cinema de Gramado, que aconteceu na noite deste sábado, 26 na cidade gaúcha. O longa levou para casa o kikito de melhor filme no evento, que foi transmitido remotamente do Palácio dos Festivais, na serra gaúcha. Devido às restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus, o público acompanhou o resultado por meio de transmissão virtual. 

Marla Martins e Renata Boldrini conduziram a cerimônia, com participações artísticas gravadas previamente. A curadoria da edição é de Marcos Santuario, Pedro Bial e Soledad Villamil, que fizeram o pronunciamento de abertura do evento.

CONFIRA OS VENCEDORES

Mostra de curtas brasileiros

Melhor desenho de som: Isadora Torres e Vinicius Prado Martins, por Receita de Caranguejo

Melhor trilha musical: Hakaima Sadamitsu M Takara, por Atordoado, Eu Permaneço Atento

Melhor direção de arte: Francisco Ricardo Lima Caetano, por O Barco e o Rio

Melhor ator: Daniel Veiga, por Você Tem Olhos Tristes 

Melhor montagem: Ana Júlia Travia, por Você Tem Olhos Tristes

Melhor fotografia: Valentina Ricardo, por O Barco e o Rio

Melhor roteiro: Matheus Farias  e Enock Carvalho, por Inabitável

Melhor atriz: Luciana Souza, por Inabitável

Prêmio especial do júri: Preta Ferreira, por Receita de Caranguejo

Prêmio Canal Brasil: Inabitável

Júri popular: O Barco e o Rio 

Melhor direção: Bernardo Ale Abinader, por O Barco e o Rio

Melhor filme: O Barco e O Rio, de Bernando Ale Abinader.

Mostra de longas estrangeiros

Melhor ator: Anibal Ortiz, por Matar a Un Muerto

Melhor fotografia: Nícolas Trovato, por El Silencio del Cazador

Melhor roteiro: David David, por La Frontera

Melhor atriz: Daylin Vega Moreno e Sheila Monterola, por La Frontera

Prêmio especial do júri: El gran viaje al país pequeño​

Melhor filme (júri popular): El gran viaje al país pequeño

Melhor diretor: Mariana Viñoles, por El gran viaje al país pequeño

Melhor filme: La Frontera, de David David.

Mostra de longas brasileiros

Melhor desenho de som: Bernardo Uzeda, por Aos Pedaços

Melhor fotografia: Pablo Baião, por Aos Pedaços

Melhor música (trilha musical): Salloma Salomão, por Todos os Mortos, e Shaman Herrera, por King Kong en Asunción

Melhor direção de arte: Dina Salem Levy, por Um Animal Amarelo.

Melhor roteiro: Felipe Bragança, por Um Animal Amarelo.

Melhor ator coadjuvante: Tomás Aquino, pela atuação em Todos os Mortos

Melhor atriz coadjuvante: Alaíde Costa, pela atuação em Todos os Mortos

Melhor ator: Andrade Júnior, pela atuação em King Kong en Asunción

Melhor montagem: Eduardo Gripa, por Me Chama Que Eu Vou

Melhor atriz: Isabel Zuaa, por Um Animal Amarelo

Melhor filme (júri popular): King Kong en Asunción, de Camilo Cavalcante.

Melhor direção: Ruy Guerra, por Aos Pedaços.

Menção honrosa a Higor Campagnaro, em Um Animal Amarelo.

Prêmio especial para Elisa Lucinda, pela atuação em Por que você não chora?.

Melhor longa-metragem gaúcho: Portuñol, de Thais Fernandes.

Melhor filme: King Kong en Asunción, de Camilo Cavalcante. 

Júri da crítica

Comissão de Jurados da Crítica foi formada pelos jornalistas especializados Amanda Aouad, Caroline Zatt, Isabel Wittmann, Lúcio Vilar e Matheus Pannebecker

Melhor curta: Inabitável, de Matheus Farias e Enock Carvalho.

Melhor longa brasileiro: Um Animal Amarelo, de Felipe Bragança.

Melhor longa estrangeiro: El Gran Viaje al País Pequeño, de Mariana Viñoles

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.