REUTERS/Regis Duvignau
REUTERS/Regis Duvignau

Festival de Cinema de Cannes e Netflix confirmam ruptura

Um dos filmes que poderia competir na Palma de Ouro era 'The Other Side of the Wind', de Orson Welles, cuja pós-produção foi financiada pelo serviço de streaming

AFP

07 de maio de 2018 | 09h29

CANNES — A reconciliação não foi possível: um ano depois da polêmica que agitou Cannes pela inclusão de dois filmes da Netflix na competição pela Palma de Ouro, a gigante americana boicotou a nova edição do prêmio.

A razão da retirada da Netflix de todas as seleções de Cannes acontece por falta de acordos sobre as normas de difusão na França.

+ Festival de Cannes chega à 71.ª edição politizado e sem concessões

Mas essa decisão não muda nada: o festival se recusou a apresentar dois filmes da plataforma, um em competição e outro na seleção paralela, e a Netflix, que já conquistou grandes nomes do cinema como Martin Scorsese, já não aparece mais na famosa vitrine de Cannes.

Os organizadores não revelaram o filme que competiria pela Palma de Ouro, mas divulgou que o segundo era The Other Side of the Wind, obra inacabada de Orson Welles, cuja pós-produção foi financiada pela Netflix. A ausência foi lamentada pela filha do diretor.

Tudo começou bem, quando Cannes incluiu no ano passado, pela primeira vez na competição, dois filmes da Netflix, Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho, e The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach.

Um detalhe importante criou a polêmica: a Netflix se recusou a aplicar a lei francesa, que exige que as plataformas esperem três anos entre a estreia de seu filme nas salas de cinema e a difusão para seus assinantes. E decidiu então não exibir os filmes nos cinemas franceses.

Diante da ascensão das salas de cinema, os organizadores do Festival de Cannes decidiram estabelecer uma nova regra: qualquer filme em competição deverá ser exibido na grande tela.

A Netflix, que tem 125 milhões de assinantes no mundo, se disse aberta a fazer isso, mas não garante o prazo de três anos.

"Queremos que nossos filmes estejam em pé de igualdade com os demais", disse em entrevista à revista Variety Ted Sarandos, diretor de conteúdo da Netflix, acrescentando que o festival precisa "se modernizar".

"É uma pena", lamentou o delegado geral do festival, Thierry Frémaux, convidando a Netflix a "continuar o diálogo".

Apesar disso, a Netflix abre caminho em outros festivais. Em 2015, apresentou na Mostra de Cinema de Veneza o filme Beasts of no Nation, com Idris Elba, e ganhou o Grande Prêmio no Festival de Sundance em 2017, por Já Não Me Sinto Em Casa Nesse Mundo, com Elijah Wood.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.