Festival de Cinema de Berlim olha para o leste; temas fortes em vista

O Festival de Cinema de Berlim olha para o leste neste ano, com seis dos 19 filmes em competição produzidos ou baseados atrás da antiga Cortina de Ferro, enquanto dois filmes norte-americanos repletos de estrelas falam de grandes negócios - energia e a indústria farmacêutica.

MIKE COLLETT-WHITE, Reuters

04 Fevereiro 2013 | 15h38

O histórico do Irã em direitos humanos estará na telona durante as duas semanas de exibição de cinema, a partir de 7 de fevereiro, enquanto os Flintstones abrem caminho para "Os Croods", uma família pré-histórica no centro de uma animação em 3D da DreamWorks.

O anual Berlinale, agora em sua 63ª edição, é um dos festivais de cinema mais importantes da Europa e gera um mercado em grande escala para a comercialização de novos filmes e documentários e a discussão dos que estão sendo produzidos.

Embora seja incapaz de atrair o número de estrelas e blockbusters de eventos similares em Cannes e Toronto, Berlim é uma introdução anual precoce a o que o cinema global tem a oferecer, e desfruta de uma reputação para filmes difíceis, que lidam com assuntos fortes.

"Quando se entra no Ano Novo, é importante que haja um grande festival internacional que estabeleça as bases para o ano", disse Michael Barker, chefe da Sony Pictures Classics, que levou "Before Midnight" para Berlim.

"Não acho que haja um conflito com o Oscar ou com Sundance, porque Sundance é um tipo bem diferente de festival", ele disse à Reuters, referindo-se ao festival de Utah em janeiro, que tem uma ênfase maior no cinema norte-americano.

A Europa do Leste está sob os holofotes de Berlim, com filmes em competição da região, incluindo "Child's Pose", que fala sobre corrupção e classe na Romênia através da história de uma mãe endinheirada que tenta comprar a liberdade do filho condenado.

"Harmony Lessons" é a estreia no drama do cineasta cazaque Emir Baigazin, enquanto "In the Name of..." da Polônia fala sobre o delicado tema da homossexualidade no sacerdócio católico.

O ator norte-americano Shia LaBeouf interpreta Charlie em "The Necessary Death of Charlie Countryman", sobre um jovem que viaja até a Romênia e se envolve em uma briga perigosa com um cartel de drogas.

POLÍTICA E NEGÓCIOS NA TELA

Entre os filmes tema em Berlim em 2013 está "Promised Land", sobre a polêmica técnica de escavação para extrair gás, conhecida como "fracking", com Matt Damon no elenco e dirigido por Gus Van Sant.

"Terapia de Risco" de Steven Soderberg, é em parte uma crítica da indústria farmacêutica, embora resenhas online destaquem que também seja um thriller de assassinato, com Jude Law, Channing Tatum e Catherine Zeta-Jones no elenco.

O filme mais político do festival pode ser "Closed Curtain", codirigido pelo aclamado diretor iraniano Jafar Panahi, que o produziu desafiando uma proibição de 20 anos sobre o cinema imposta pelas autoridades em seu país.

Condenado por fazer propaganda antigoverno, Panahi assim mesmo conseguiu fazer dois filmes desde que foi colocado em prisão domiciliar em 2010.

Mais conteúdo sobre:
FILME BERLIMFESTIVAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.