Yara Nardi/Reuters
Yara Nardi/Reuters

Festival de Cannes busca rejuvenescer com a ajuda do Tik Tok e do metaverso

Mais tradicional festival de cinema terá uma série de ações, como o a competição 'Júri do TikTok'

François Becker, AFP

12 de maio de 2022 | 08h37

Para sua 75ª edição, que começa na terça-feira, 17, o Festival de Cinema de Cannes busca mais atenção dos jovens com a ajuda das estrelas do Tik Tok ou das redes sociais.

Em vez de sua histórica aliança com o canal de televisão francês Canal+, que tradicionalmente transmite as cerimônias de abertura e encerramento naquele país, Cannes este ano opta por uma fórmula diferente, com a ajuda conjunta do grupo público France Télévisions e Brut, um grupo de mídia fundado apenas cinco anos atrás, voltado para um público jovem.

A Brut, especialista em formatos audiovisuais curtos, tem filiais na Índia, Egito, Costa do Marfim e Japão e garante que tem 500 milhões de espectadores em mais de 100 países, com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos.

"Os temas que são abordados (nos filmes em competição em Cannes) têm eco entre os jovens de todo o mundo", explica o diretor da Brut Guillaume Lacroix, ciente de que, com a aliança, o festival "será mais inclusivo entre várias gerações em termos de diversidade".

Um ano depois de premiar uma cineasta de 38 anos, Julia Ducournau, por Titane, Cannes volta este ano a apertar a mão de velhas glórias, como David Cronenberg (79 anos) ou os irmãos Dardenne (68 e 71 anos). Ao lado deles, competem alguns cineastas mais jovens, como Lukas Dhont, 30, ou Saeed Roustaee, 32.

“Juntamente com Tom Cruise, que tem como alvo os baby boomers, haverá toda uma geração de atores super glamourosos em Cannes, com grandes seguidores nas mídias sociais”, acrescenta Julien Pillot, professor da Escola Europeia de Comércio (INSEEC).

O TikTok, que é a rede social favorita dos adolescentes e o paraíso dos vídeos ultracurtos, transmitirá todos os dias o tapete vermelho de Cannes, enquanto o Instagram colocará o festival a serviço de seus influenciadores.

Haverá um “júri do TikTok” com a presença de sua estrela mais conhecida, Khaby Lame, com 100 milhões de seguidores. Quais obras vão concorrer? Vídeos entre 30 segundos e três minutos, para um prêmio oficial que será entregue pelo delegado geral de Cannes, Thierry Frémaux.

“Se Martin Scorsese tivesse 16 anos, ele não faria filmes em Super-8, mas usaria seu telefone para criar conteúdo, contar histórias”, acredita Guillaume Lacroix. Além disso, o festival também abrirá sua delegação no metaverso (mundo virtual) de Fortnite, um dos jogos online mais populares do mundo, com quase 200 milhões de usuários.

Os jogadores poderão adotar um avatar de jornalista, ator, diretor, realizar entrevistas, passar por um casting, participar do tapete vermelho. Diante de todas essas iniciativas, haverá críticas e ridicularizações, prevê Julien Pillot. "Mas (o cinema) deve evoluir para não morrer", insiste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.