Festival de Brasília homenageia Morgan Freeman

Não deixa de ser notável o grau dematuridade a que chega o Festival Internacional de Brasília, queestá apenas em sua quarta edição. Quando surgiu, ninguém davanada por ele (afinal, realiza-se na mesma cidade do tradicionalevento dedicado ao cinema brasileiro). Para surpresa de todos,cresceu, solidificou-se e chega nesta quarta-feira a mais uma edição,apresentando convidados importantes e - o que é mais importante- uma bela seleção de filmes. Para o evento chegam a Brasília oator norte-americano Morgan Freeman, a cineasta italiana LinaWertmuller e o diretor de Burkina Faso Idrissa Ouedraogo. Vêmtambém Florinda Bolkan, Lucélia Santos, Aluísio Abranches, entreoutros. Florinda preside o júri da mostra competitiva e tambémapresenta em pré-estréia seu filme Eu não Conhecia Tururu,que entra em cartaz no dia 3 em São Paulo e no Rio. É a estréiana direção de uma atriz consagrada e evoca um universo femininoe intimista que tem alguma coisa de ficcional e outro tanto dereferência autobiográfica. Afinal, Florinda é a atriz cearenseque foi fazer carreira fora do País, venceu, e mora até hoje naItália, tendo trabalhado com diretores como Luchino Visconti,Elio Petri e Vittorio De Sica. Alguns desses trabalhos europeusde Florinda serão exibidos durante a mostra, como Investigaçãode um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita, em que elacontracena com Gian Maria Volonté. Lina Wertmuller, cineasta badaladíssima nos anos 70 porMimi, o Metalúrgico e Pasqualino Sete Belezas não teveseus últimos trabalhos divulgados por aqui. O público dofestival poderá vê-los. Assim como poderá assistir a um conjuntode cinco filmes de Idrissa Ouedraogo, diretor africano dos maisinteressantes. Dois dos filmes de Idrissa foram precariamentelançados no País, Tilai e Samba Traoré. O restante é inédito. Na mostra brasileira, as novidades são As TrêsMarias, de Aluísio Abranches, o documentário Timor Lorosae de Lucélia Santos, e O Clube do Champagne, de João Machado.Há também uma mostra chilena, uma sessão preview (com títulos aserem lançados no circuito) e a mostra competitiva, composta de12 títulos vindos de países como Suécia, França, Espanha,Argentina, Tailândia e China, entre outros. É um cardápio e tanto, a ser selecionado com critériopara evitar indigestão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.