SEBASTIEN NOGIER|EFE
SEBASTIEN NOGIER|EFE

Festival concede prêmio especial para Jean-Pierre Léaud

'De certa forma, nasci aqui mesmo em Cannes, em 1959', disse o ator, que interpretou Antoine Doinel em 'Os Incompreendidos'

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2016 | 20h52

CANNES - De quem terá sido a ideia? Do presidente do júri, George Miller, ou de integrantes como o diretor francês Arnaud Desplechin? Não importa. A cerimônia de premiação do 69º festival de Cannes começou neste domingo, 22, em alto estilo, com a outorga de uma Palma de Ouro especial. Quem a recebeu foi Jean-Pierre Léaud, de 71 anos – no sábado, 28, fará 72.O cinéfilo sabe, mas não custa lembrar o que disse o próprio Léaud. “De certa forma, nasci aqui mesmo em Cannes, em 1959.”

Ele tinha 15 anos (nasceu em 1944) quando François Truffaut o escolheu para ser Antoine Doinel em Os Incompreendidos. O personagem que nasceu autobiográfico seguiu como um alter ego de Truffaut em numerosos filmes. Só isso lhe garantiria a imortalidade no coração dos cinéfilos, mas Léaud fez também filmes decisivos de Jean-Luc Godard. Este ano, ele veio a Cannes como o Rei Sol de A Morte de Luis XIV, de Albert Serra. O filme é genial. O prêmio, totalmente merecido, Léaud foi aplaudido de pé.

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaFrançois Truffaut

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.