Festa do Oscar celebra irmãos Coen e artistas de vários países

"Onde os Fracos Não Têm vez" conquistou o Oscar de melhor filme e melhor direção para os irmãos Joel e Ethan Coen. O drama violento recebeu quatro prêmios na noite de domingo, na 80a cerimônia da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos. Os integrantes da Academia também premiaram filmes, atrizes e atores de vários países. O britânico Daniel Day-Lewis recebeu o Oscar por seu papel de explorador de petróleo do início do século 20 no longa "Sangue Negro". O espanhol Javir Bardem, que fez o assassino de "Onde os Fracos Não Têm Vez", ganhou o Oscar de ator coadjuvante. Entre as mulheres, uma francesa e outra britânica. Marion Cotillard venceu o prêmio de melhor atriz por sua interpretação da famosa cantora francesa Edith Piaf, em "Piaf: Um Hino ao Amor", enquanto Tilda Swinton ficou com o Oscar de coadjuvante por "Conduta de Risco". Cotillard é a primeira francesa a ganhar um Oscar nesta categoria desde 1960. "Estou sem palavras agora", disse Cotillard ao subir ao palco para receber a estatueta. "Obrigada vida, obrigada amor. É verdade que há anjos nesta cidade." Bardem é o primeiro ator espanhol a receber o prêmio da Academia dos EUA. Nascido em uma família de artistas, ele agradeceu em espanhol a sua mãe ao subir no palco. "Mãe, isto é para você. Isto é para seus avôs e seus pais", disse Bardem. "Isto é para os comediantes da Espanha que como você trouxeram dignidade e orgulho para nossa profissão. Isto é para a Espanha e isto é para todos vocês." O quarto Oscar de "Onde os Fracos Não Têm Vez" também foi para os irmãos Coen, por melhor roteiro adaptado. A dupla baseou seu filme no livro de mesmo nome de Cormac McCarthy. PIADAS POLÍTICAS Após meses de dúvidas sobre se a festa do Oscar iria ou não acontecer, as portas do Kodak Theatre, em Hollywood, se abriram no domingo para a entrega dos prêmios liderada pelo apresentador Jon Stewart e suas piadas sobre os indicados. O primeiro prêmio importante da noite foi para o filme de animação "Ratatoiulle", sobre um rato que vira cozinheiro em um restaurante de Paris. "Elizabeth: A Era de Ouro" venceu o prêmio de melhor figurino, e "Piaf" ganhou o de melhor maquiagem. O Oscar de filme estrangeiro foi para o austríaco "The Counterfeiters", e o de melhor documentário para "Taxi to the Dark Side". Stewart fez piadas sobre o tom pessimista de filmes como "Conduta de Risco", sobre um homem que faz o trabalho sujo de uma empresa de advogados, e "Desejo e Reparação", história sobre traições familiares. "Este povo precisa de um abraço?", brincou o anfitrião. "A única coisa que posso fazer é dar graças a Deus pela gravidez adolescente", acrescentou, fazendo referência a "Juno". A cerimônia do Oscar quase foi cancelada devido a uma greve de três meses dos roteiristas de cinema e televisão, encerrada há cerca de 10 dias. O produtor do Oscar, Gil Cates, lutou pela realização da cerimônia e contratou Stewart para conduzir o show. Ele é um conhecido humorista político dos Estados Unidos, que está em meio a uma campanha para as eleições presidenciais. Stewart não decepcionou, fazendo piadas tanto dos republicanos como dos democratas.

BOB TOURTELLOTTE, REUTERS

08 Fevereiro 2025 | 02h38

Mais conteúdo sobre:
FILME OSCAR FIM

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.