Fernando Meirelles respresenta o Brasil em Veneza

O Jardineiro Fiel, de Fernando Meirelles, será o principal representante brasileiro na 62.ª Mostra de Veneza, apesar de o filme do diretor de Cidade de Deus ser uma co-produção entre Reino Unido, Quênia e Alemanha. 19 filmes integram a Seção Oficial na disputa pelo cobiçado Leão de Ouro, no evento marcado por estritas medidas de segurança antiterror. Outro filme brasileiro, Arido Movies, de Lirio Ferreira, está entre os integrantes da mostra Horizontes, dedicada às obras mais inovadoras. A estréia mundial de Qi Jian (Sete Espadas), do chinês Hark Tsui (veja site oficial do filme, será o evento de abertura da mostra. Pela primeira vez em mais de meio século, a chamada cidadela do cinema, localizada numa ilha em frente a Veneza, terá cercos especiais e será alvo permanentemente de câmeras de vigilância, franco-atiradores, mergulhadores, especialistas em explosivos e cães farejadores com a finalidade de evitar qualquer ato terrorista. O impressionante plano de segurança foi decidido pelas autoridades locais, após os atentados de julho, em Londres, e pelas ameaças feitas contra a Itália como o próximo alvo de extremistas islâmicos. No famoso Palazzo del Cinema, centro que acolhe anualmente o festival, será instalada a tradicional passarela das estrelas, onde se exibirão a cada noite celebridades do cinema mundial, além dos já citados, outros como John Turturro, Rusell Crowe e Monica Bellucci. Para evitar a polêmica do ano passado causada pela desorganização e pelos atrasos na programação, o diretor da Mostra, o italiano de origem suíça Marco Muller, reduziu o número de filmes selecionados de 71 para 55. Este corte acabou penalizando o cinema latino-americano e africano, que praticamente desapareceu do festival. A atriz italiana Stefania Sandrelli, musa do cinema de autor italiano dos anos 60, será homenageada com o Leão de Ouro pelo conjunto da obra durante o festival, com o qual também será agraciado o diretor japonês Hayao Miyazaki, premiado com o Oscar em 2003 pelo filme de animação A Viagem de Chihiro. Um júri, presidido pelo cenógrafo Dante Ferretti, Oscar por O Aviador, deverá escolher entre os filmes da seção oficial, todos muito diferentes entre si, vários dirigidos por mestres veteranos, como o português Manoel de Oliveira, de 96 anos, que abrirá a mostra competitiva com O Espelho Mágico e alguns poucos por autores desconhecidos nos festivais, alguns deles asiáticos. Como no ano passado, o convidado de honra da mostra será o cinema europeu. Doze filmes do velho continente (três franceses e três italianos) na mostra competitiva representam o ponto forte do festival.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.