Feijoada e samba animam Festival Rio 2005

Tradicional evento de confraternização no Festival do Rio, a feijoada do cinema brasileiro saiu do reduto fechado do Hotel Méridien para a quadra da Mangueira, com direito a bateria da verde e rosa. Marisa Paredes, que perdeu suas malas na chegada, descobriu que elas voltaram para Madri, mas não perdeu o humor. ?O Rio é maravilhoso?, disse a atriz de Pedro Almodóvar, que está aqui integrando o Foco Espanha. Ela aproveita e tem comparecido às sessões de Rainhas, do madrileno Manuel Gómez Pereira. O filme poderia ser chamado de A Mãe da Noiva (ou do Noivo), só que o casamento, no caso, é gay. Reinas é como são chamadas as mães de homossexuais na Espanha.Alex de la Iglesia não resistiu e caiu no samba, não sem antes anunciar para o repórter que viu Um Lobisomem na Amazônia, de Ivan Cardoso, na sessão da meia-noite de sexta-feira, do Cine Odeon BR. De la Iglesia ama Cardoso e o terror, o gênero de terror com riso, do qual o diretor brasileiro foi o inventor. Por que? ?Hombre, porque é divertido e inteligente?, explica. Havia um monte de convidados brasileiros na festa - Reynaldo Gianecchini, sem Marília Gabriela; Maria Ceiça; Milton Gonçalves e Joel Zito Araújo. Os dois últimos passaram o tempo todo escoltando Danny Glover, que mal teve tempo de passar no hotel, para trocar de roupa. Praticamente, ele foi do Galeão para a Mangueira, onde assistiu à distância, sem cair no samba, a animação.Danny Glover, parceiro de Mel Gibson na série Máquina Mortífera, está interessado na questão racial no Brasil e em armar co-produções com o País. Teve dois grandes parceiros em Gonçalves e Araújo, que estão plenamente qualificados para debater o racismo velado do brasileiro. Gonçalves é o grande ator que todo mundo sabe; Araújo dirigiu o documentário A Negação do Brasil e a ficção As Filhas do Vento. À noite (21h30), ele prestigia, no Odeon, a exibição de gala de Manderlay, o novo filme de Lars Von Trier, que prossegue com a experiência de Dogville com uma dramaturgia ainda mais radical. O racismo americano é um dops temas de Von Trier no filme no qual trabalha Danny Glover.Outro que dançou bastante na quadra da Mangueira foi o diretor argentino Fernando Solanas, de Memória do Saqueio, que está no Rio mostrando a seqüência do documentário em exibição em São Paulo. Chama-se A Dignidade dos Ninguéns. Às três da tarde, vestindo uma camisa floreada de fundo marrom, quem desembarcou na Mangueira foi o comediante americano Rob Schneider, escoltado pela assessora da Columbia, Lia Vissotto. Schneider está no Brasil para promover Um Gigolô Americano na Europa. Seu humor não é para todos os gostos, como o de Will Ferrell, mas ambos possuem seu público. Schneider chegou de câmera a tiracolo. Os fotógrafos o assediam, mas Lia Vissotto informa que é obcecado por fotografia e já tirou centenas de fotos do Rio. Mais do que pelas paisagens de cartão postal, ele é interessado pela paisagem humana da cidade maravilhosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.