Eric Gaillard/ Reuters
Eric Gaillard/ Reuters

'Fausto' vence Leão de Ouro do Festival de Veneza

Com este filme, russo Alexander Sokurov completa sua tetralogia dedicada às figuras do poder

Luiz Zanin Oricchio, enviado especial de O Estado de S. Paulo,

10 de setembro de 2011 | 16h44

Confirmando o favoritismo já destacado pelo Estado, Fausto, a adaptação do russo Alexander Sokurov do clássico de Goethe, venceu o Leão de Ouro do 68º Festival de Veneza. O filme usa de toda a fantasia para transpor uma obra literária para a linguagem do cinema, criando um ambiente sufocante e envolvente, no qual o personagem não mede esforços para saciar sua sede de saber - e de poder. Sokurov, com este filme, completa sua tetralogia dedicada às figuras do poder: Moloch (Hitler), Taurus (Lenin) e O Sol (Hirohito) foram os anteriores. Avinculação de Fausto com os políticos atuais não é gratuita e Sokurov a enfatizou mais de uma vez durante sua permanência em Veneza. A ânsia de poder os leva a firmar pactos pouco recomendáveis, disse o diretor.

 

O Leão de Prata para melhor direção ficou com Cai Shangjun por Ren Shan Ren Hai, que chegu ao festival na undécima hora a título de filme-surpresa. A história é a de uma vingança, com o personagem perseguindo o assassino do seu irmão de maneira implacável. Mostra um retrato não menos áspero da realidade chinesa e, de fato, é muito bem dirigido.

 

O Prêmio Especial do Júri foi para Terraferma, do italiano Emanuele Crialese, único troféu para os filmes da casa, na mostra principal. Sabia-se que teriam de arranjar um prêmio de porte para um filme italiano, pois senão o desgaste da atual direção seria muito grande. Por sorte, Terraferma, um emocionante reconhecimento de que os italianos não tratam muito bem os imigrantes, é obra de qualidade e emoção. Crialese, em seu terceiro longa (os outros dois são Respiro e Novo Mundo, ambos lançados no Brasil), é diretor em franco progresso.

 

A Coppa Volpi de melhor ator ficou para Michael Fassbender, o queridinho das mulheres do festival, por Shame, do britânico Steve McQueen. No filme, Fassbender interpreta Brandon, um personagem viciado em sexo. Ao mesmo tempo, a história é crítica com um determinado modo de vida, yuppie e consumista, típico das grandes cidades - o longa é ambientado em Nova York.

 

A Coppa Volpi de melhor atriz foi para Deanie Yip por Tao Jie (Uma Vida Simples), da chinesa Ann Hui, amplamente favorita. É uma história bonita, sobre uma mulher que serviu fielmente uma família de Hong Kong durante 60 anos até adoecer e ser internada numa casa para idosos. Um dos filhos da família a apoia até o fim, o que torna esse trabalho também uma homenagem ao sentimento da gratidão.

 

O Prêmio Marcelo Mastroianni para ator ou atriz emergente foi dividido entre Shota Sometani e Fumi Nikaidô, pelo trabalho em Himizu, do Japão. O filme é irritante, muito em função da atuação gritada da dupla vencedora. Mas também há que se destacar que é a primeira obra ficcional japonesa após o terremoto, seguido de tsunami e acidente nuclear em Fukushima. Tem seu valor pela atualidade e mensagem de que o país tem tudo para se reconstruir.

 

A Osella para melhor contribuição técnica foi para a fotografia de Robbie Ryan na nova versão de O Morro dos Ventos Uivantes. É bonita, sem dúvida. E tem clima.O detalhe com essa versão da obra de Emily Brontë é que, pela primeira vez, o herói problemático Heathcliff é intepretado por um ator negro, James Howson.

 

A Osella para melhor roteiro ficou Yorgos Lanthimos e Efthimis Filippou do grego Alpis. Pode-se dizer que o roteiro é mesmo engenhoso. Meio sem alma, na verdade.

 

Na mostra paralela Horizontes, os principais premiados foram Kotoko (Japão) como melhor ficção, e o documentário Whores's Glory (Áustria e Alemanha) pelo Prêmio Especial do Júri.

 

Para não dizer que o Brasil passou em brancas nuvens, Girimunho, da dupla mineira Clarissa Campolina e Helvécio Marins, recebeu o Interfilm Award for Promoting Interreligious Dialogue.

 

Para finalizar com um comentário sobre a premição principal do júri presidido pelo norte-americano Darren Aronofsky: Fausto, o vencedor, era, de fato, um dos favoritos. Tinha pinta de campeão, como gente que segue festivais internacionais há muitos anos podia detectar sem dificuldade. Mas dois dos favoritos, Carnage, de Roman Polanski, e The Ides of March, de George Clooney, saíram de mãos abanando. Carnage, adaptado da peça de Yasmina Reza, montada no Brasil, era mesmo o favorito entre os 21 críticos que atribuem as temidas (e adoradas) estrelinhas no boletim do festival. Fausto vinha em segundo lugar. Foi um bom festival.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.