Faroeste "Matar ou Morrer" é o hit da Casa Branca

O faroeste Matar ou Morrer, de 1952, é um campeão de audiência na Casa Branca. Bill Clinton, sozinho, assistiu ao filme de Fred Zinnemann 20 vezes, e Eisenhower três, segundo o Los Angeles Times. Único bangue-bangue da premiada carreira de Zinnemann, o mesmo de A Um Passo da Eternidade e O Homem Que não Vendeu Sua Alma, Matar ou Morrer traz Gary Cooper no papel do xerife Will Kane, que precisa cooptar companheiros para enfrentar um bando de pistoleiros - alegoria que serviu como um corajoso ataque ao macarthismo. O filme deu a Cooper o Oscar de melhor ator.A lista de sucessos da Casa Branca consta de um documentário que estréia na quinta-feira nos Estados Unidos. Com o título de All the Presidents´ Films ("todos os filmes do presidente"), o filme remete a Todos os Homens do Presidente, em que Dustin Hoffman e Robert Redford encarnam os repórteres do Washington Post que desmascararam o escândalo de Watergate, levando à renúncia de Richard Nixon.Para Burt Kearns, produtor do documentário, o sucesso de Matar ou Morrer passa pelo fascínio do xerife Kane. "O filme pode ser visto como uma metáfora do presidente", disse ao Los Angeles Times. "O personagem principal é uma figura glamourosa, que faz o que tem de ser feito. É um homem solitário, que tem de fazer a coisa certa. É a imagem que se pensa que um presidente tem de si próprio."O documentário revela também as preferências do atual presidente americano, George W. Bush: O Resgate do Soldado Ryan, drama ambientado na Segunda Guerra Mundial, de Steven Spielberg, e a comédia Austin Powers. Outros hits dos presidentes americanos são o clássico dos clássicos Casablanca, com Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, A Ponto do Rio Kwai, drama de guerra de David Lean, e A Princesa e o Plebeu, com AudreyHepburn e Gregory Peck. As informações são do site da BBC. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.