Fã funda sociedade para discutir "Senhor dos Anéis"

Ao assistir aos 26 minutos dasuperprodução O Senhor dos Anéis, numa espécie de premièrerealizada em julho e concedida a um grupo seleto de privilegiados, o empresário Daniel Cossi, de 27 anos, admite ter chorado de emoção. Diante de seus olhos, viu as histórias fantásticas de J.R.R. Tolkien ganharem vida e os personagens setornarem de carne e osso. Histórias essas que Daniel conheceuaos 12 anos de idade, apresentadas a ele pelo pai, e que ofascinam até os dias de hoje.Sua devoção à obra de Tolkien foi desencadeada com olivro infanto-juvenil Hobbit e se fortaleceu ao longo datrilogia O Senhor dos Anéis. Para ele, o escritor Tolkienatrai legiões de fãs por cultivar uma estrutura simples eeficiente de escrever. "Ele traz muitos elementos biográficosàs histórias: suas perdas, suas experiências de vida", analisao empresário.Em 1999, Daniel extrapolou a posição passiva de leitor (voraz) e decidiu organizar a Sociedade de Tolkien Brasileira(STB), com sede em Jundiaí, interior de São Paulo, atualmentecom cerca de 1.300 associados. "Durante 4 ou 5 anos, euparticipei de salas de discussão sobre Tolkien e percebi que osdebates no Brasil sobre o assunto envolviam temas fúteis",constatou ele, que edita o Guia Tolkiendo Sobresites.com.br, no qual relaciona os melhores sites sobre Tolkien do Brasil emundiais. Certo dia, ele teve uma idéia: criar um site e fundaruma sociedade de Tolkien, para difundir a obra do escritor demaneira séria e "policiar" o que é veiculado sobre o assunto.Na época, Daniel Cossi era há três anosdiretor-executivo da Global Network Consultoring, empresaespecializada em assessoria e consultoria em tecnologia,engenharia de padronização, sistemas empresariais, entre outrasatribuições. Não demorou muito, a STB foi incorporada à empresapara, de acordo com o fundador, dar "legalidade" à entidade.Dessa forma, a sociedade está longe de ser uma merajustificativa para aficionados por O Senhor dos Anéis sereunirem, vestirem as roupas dos personagens e debaterem sobretemas relacionados à obra.Unindo o útil ao agradável, a empresa passou a prestaruma espécie de consultoria aos assuntos do universo Tolkien."Nós nos responsabilizamos pelo produto da empresa: conceito,desenho, arte final, marketing, veiculação", enumera o irmão deDaniel, Dennis Cossi, de 21 anos, diretor de Marketing daGlobal. Com a aproximação do lançamento do tão esperado filmeO Senhor dos Anéis, a empresa passou a ter trabalhoredobrado.A primeira parceria exclusiva foi fechada com a EditoraMartins Fontes, para a divulgação dos livros sobre a epopéia deFrodo no site oficial da STB. Recentemente, a editora lançou umaedição comemorativa reunindo as três fases de O Senhor dosAnéis, com capa dura, bordas das páginas folheadas a ouro etiragem limitada de 10 mil exemplares. Dois deles serãosorteados pela homepage da sociedade no dia 18."A Solymar, licenciadora brasileira de produtos dofilme, nos procurou também para obter mais informações sobre ofilme", afirma Dennis. A empresa organizou dois eventos dolançamento da superprodução, para jornalistas e futurosinvestidores. Mantém parcerias exclusivas também paradesenvolver três jogos (e dois em projeto), 350 card games deRPG, outras 25 edições especiais de card games, balas echicletes, acompanhados de cards ou figurinhas.A STB detém os direitos exclusivos para expor e venderem seu site as obras dos irmãos Hildebrandt, que encontraminspiração na obra de Tolkien para pintar seus quadros. Além deabrigar e ser encarregado pela tradução em português de websites de atores como Christopher Lee, Ian McKellen, entreoutros. A atuação da irmandade se estende para a área social,uma vez que seus integrantes realizam trabalhos em escolas deensino fundamental e médio e idealizaram um projeto dos livrosde Tolkien, quase finalizado, em braile.Existem cerca de 12 sociedades de Tolkien espalhadaspelo mundo, incluindo Argentina, Inglaterra e Brasil. No País, asociedade permite a abertura de condados, sedes regionais daSTB. Atualmente, analisa 33 pedidos de abertura de condados portodo o País, mas só seis foram aprovados: Ribeirão Preto, SãoPaulo, Campinas, Jundiaí, Brasília e Rio. "Como ela vai usar anome da STB, a pessoa que quer abrir o condado em sua cidadeprecisa ser maior de idade, brasileira, ter um local para sede,ter alguém com acesso para a Internet e que consiga criar umsite", explica Daniel Cossi. Segundo ele, essa homepagerepresentará seu condado e poderá "hospedar" a página do siteda STB (braziliantolkiensociety.com.br). "No começo,tínhamos uma média de 10 mil visitas mensais; hoje, são 1 milhãoe 200 mil acessos", revela Cossi.Numa rápida pesquisa nos sites de busca, com aspalavras-chave "The Lord of The Rings", surgem mais de 9.500páginas sobre o tema. Dentre eles, sites oficiais, comowww.lordoftherings.net, e páginas criadas por fãs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.