Êxito de bilheteria, <i>Borat</i> é processado por 2 americanos

A comédia Borat: Cultural Learnings of America for Make Benefit Glorious Nation of Kazakhstan (Os Ensinamentos Culturais da América para o Benefício da Nação Gloriosa do Casaquistão, em tradução livre do inglês), começou nesta sexta-feira a ser exibida em 2.566 salas dos EUA, mas o êxito veio acompanhado de uma ação na Justiça apresentada por dois "improvisados protagonistas" do longa. Dois estudantes da Universidade de Carolina do Sul acusam a produtora do filme, a Fox, de fraude. Segundo a ação apresentada nesta sexta-feira, os dois estavam embriagados quando autorizaram que fossem filmados e aceitaram participar somente porque a produtora do longa disse que ele seria exibido somente na Europa. Em Borat, os estudantes aparecem visivelmente sob o efeito do álcool fazendo vários comentários sexistas e racistas ao protagonista Borat - personagem do comediante inglês Sacha Baron Cohen -, enquanto tentam consolá-lo de sua decepção amorosa. O nome dos estudantes não foi citado na comédia, e eles também não divulgaram sua identidade à Justiça, para evitar uma humilhação ainda maior. Ainda que o advogado dos dois assegure que os meninos fizeram a denúncia alegando fraude, os estúdios Fox afirmam desconhecer a existência da ação. Filme surpreendeu e liderou bilheteria dos EUA No filme, Borat, que apresenta o programa Da Ali G Show, é enviado aos Estados Unidos para uma série de reportagens sobre o modo de vida do país. O longa, que tem participação da atriz Pamela Anderson e é dirigido por Larry Charles, arrecadou US$ 26,4 milhões em seu fim de semana de estréia nos EUA, surpreendetemente liderando a bilheteria. Borat é mais um exemplo de filme que fez sucesso primeiro na web e foi bem-sucedido nas telonas. Serpentes a Bordo, com Samuel Jackson, exibido primeiramente na internet, também liderou a bilheteria norte-americana em sua estréia, em agosto. Borat foi exibido em apenas 837 salas de cinema nos EUA em sua estréia, mas a Fox aumentou significativamente o número de salas devido a seu enorme sucesso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.