Exército dos EUA terá armadura inspirada no estilo 'Robocop'

Chamado de XOS, exoesqueleto é uma estrutura de alumínio criada para ser "vestida" pelos militares

Da BBC News,

08 de abril de 2017 | 13h10

Uma empresa de robótica em Utah, nos Estados Unidos está desenvolvendo uma espécie de armadura para soldados do Exército americano inspirada no estilo do personagem principal do filme Robocop. Veja também:Assista vídeo da matéria 'Soldado-robô'   Chamado de XOS, o exoesqueleto é uma espécie de estrutura de alumínio criada para ser "vestida" pelos militares. A tecnologia permite que a armadura seja sensível e acompanhe os movimentos do corpo humano, criando uma espécie de "homem-máquina".  O XOS foi desenvolvido para que tenha a mesma agilidade e flexibilidade dos humanos, porém mais resistente e forte do que o corpo humano. Equipado com o exoesqueleto, um homem é capaz, por exemplo, de levantar mais de 90 quilos sem fazer muito esforço. O equipamento é composto por 30 ativadores, cada um responsável pelo movimento de uma das juntas.  Para o Exército, o uso do novo exoesqueleto, criado pela empresa Sarcos, pode permitir mais agilidade nas operações e prevenir lesões causadas pelo levantamento repetido de peso. Os primeiros modelos serão usados no departamento de logística para facilitar as operações.  No entanto, o Exército americano espera que modelos mais elaborados possam, no futuro, participar dos combates, carregar armas pesadas ou soldados machucados.  Apesar do avanço do XOS, Stephen Jacobsen, que desenvolveu o projeto, afirma que ainda é preciso resolver vários problemas do exoesqueleto. Um dos principais é a criação de uma fonte de energia móvel que permita o seu funcionamento por um período significativo de tempo.  O Exército irá testar os primeiros protótipos já em 2008 e a intenção é que versões mais elaboradas do XOS sejam incorporadas nos próximos oito anos. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.