Divulgação
Divulgação

Excesso de trailers estraga a experiência do novo 'Vingadores'

Graças à divulgação em grande escala da Marvel, nada do que será exibido nas telonas vai causar uma admiração tão grande

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

23 de abril de 2015 | 03h00


É possível sentir o cheiro de medo. O medo do fracasso. De, pelo menos, não superar o antecessor. A Marvel segue em ascensão na dominação do cinema global, com os heróis mais rentáveis da história do cinema. Cada novo longa acumula mais bilheteria e é mais bem aceito pela crítica do que o sucessor. O escorregão ainda está por vir, mas seria, então, no gigantesco e pomposo Vingadores – Era de Ultron? Provavelmente, não. Mas a Marvel Studios não quis correr o risco com a reunião de seus personagens principais, como Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro. Era preciso criar um hype, aumentar a falação de blogs especializados, criar mais expectativa no coração nerd dos fãs. E, para isso, foram lançados trailers, clipes, teasers, comerciais para televisão e até cenas quase completas. A questão não é a quantidade de vídeos publicados nas redes sociais da empresa, mas, sim, o conteúdo escolhido para grande parte deles. 

Ao fim da exibição de imprensa de Vingadores – Era de Ultron, na semana passada, aqueles que consumiram todo o material em vídeo divulgado pela companhia conhecida como Casa de Ideias sentiram um vazio. Assistiram aos clipes, consumiram os produtos prévios de divulgação, e estragaram a própria experiência de curtir Vingadores na telona. 

A trama de Joss Whedon é mais sombria que o primeiro encontro dos heróis, lançado em 2012. Mas, isso, já fora mostrado. Novos personagens, como Mercúrio e Feiticeira Escarlate, interpretados por Aaron Taylor-Johnson e Elizabeth Olsen, terão um papel-chave na briga contra Ultron? Também sabíamos. O próprio vilão, assustadoramente interpretado por James Spader pela captação de movimentos, já havia revelado a plena forma nos trailers. Sem surpresa ali também. 


Então chegamos a um momento de clímax nerd: a batalha entre Homem de Ferro, com a armadura Hulkbuster, e Hulk, por exemplo. Nas HQs, já seria incrível. Nas telonas, ainda mais, certo? Grande parte da pancadaria, contudo, era conhecida – um minuto ou outro de toma lá dá cá não faz diferença. Em vez de tirar o fôlego, provoca um suspiro inevitável. Era mais uma cena incrivelmente criada para ser degustada em tela grande estragada por um videozinho de meia-tigela assistido na tela do celular. 

Joss Whedon, quando idealizou a grandiosidade de Vingadores, não poderia esperar por isso. Tudo estava online, disponível. Até mesmo a participação de Visão, androide criado por Ultron e interpretado por Paul Bettany, já era escancarada. Faltava saber como ele se comportaria, se funcionaria bem com o deus nórdico ou o gigante esmeralda. Relaxe, não é o caso de estragar a surpresa aqui. Mas, faça-se um favor, fuja do excesso de trailers enquanto pode. 

Tudo o que sabemos sobre:
vingadorescinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.