Ex-chefão de Hollywood acusa "máfia gay"

O maior escândalo de Hollywood nos últimos tempos veio àtona ontem, quando surgiram as primeiras cópias de um artigo darevista Vanity Fair de agosto com o ex-agente mais poderosode Hollywood, Michael Ovitz. Em uma entrevista cheia de rancor,o chefão da empresa Artists Management Group disse que foiderrubado por pessoas da "máfia gay" da terra do cinema, como obilionário David Geffen, do estúdio DreamWorks.Sem entrar em detalhes sobre quem é ou não é gay, Ovitz, que perdeu vários de seus clientes vips nos últimos tempos e deixou de fechar muitosnegócios milionários, afirma que foi vítima de um "assassinatopolítico" tocado por gente como Michael Eisner, presidente doestúdio Walt Disney, Ron Meyer, presidente da Universal Pictures, o jornalista Bernard Weinraub, do New York Times, e algunsde seus ex-sócios na AMG. Hollywood ficou chocada com asalegações. Muita gente chamou o empresário de "paranóico","louco" e, claro, "homofóbico".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.