Ramón Vasconcellos
Ramón Vasconcellos

Ex-BBB, Kaysar Dadour estreia no cinema em ‘Carcereiros — O Filme’

Em seu primeiro trabalho no cinema, Kaysar interpreta Abdel, um terrorista internacional

Samuel Costa, Especial para O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2019 | 21h41

Prestes a estrear no cinema, o ex-BBB Kaysar Dadour diz que estar em Carcereiros — O Filme foi um grande aprendizado. O longa é dirigido por José Eduardo Belmonte, que também assinou Alemão, e entra em cartaz na quinta-feira, 28. Com o sotaque ainda bastante marcado, Dadour diz que tem frequentado aulas de português, investido em cursos de atuação e em consultas com fonoaudióloga para aprimorar a sua atuação.

Atualmente ele participa de uma competição de dança em um programa da TV aberta e há poucos meses aparecia em uma novela. Sobre os projetos futuros, ele faz mistério. Diz que deseja participar de uma peça de teatro para poder rodar o País, mas não diz o que tem pela frente. “Acho que não é hora de falar sobre isso.” 

Rodado no ano passado, o longa tem nomes de peso no elenco como Rodrigo Lombardi (O Olho e a Faca), Milton Gonçalves (Segurança Nacional) e Jackson Antunes (Mais Forte que o Mundo - A História de José Aldo). Apesar de ser a sua primeira experiência na atuação, não assustou Kaysar. “Estava muito tenso, mas tive muito apoio do elenco. O Rodrigo [Lombardi] estava sempre ao meu lado, o Jackson Antunes também, ajudou muito na hora de quebrar o gelo”, diz. Ser um ex-participante de reality show não atrapalhou a sua adaptação no set. “Eu não senti nada disso, se teve alguma coisa foi tão pequena que eu não lembro.”

Dadour conta que permanecia durante um tempo em uma cela escura, montada no set, para poder entrar na atmosfera do filme e passar pelo seu processo de caracterização. “Queria sentir toda a pressão, o cheiro de medo a tensão que o meu personagem poderia

sentir”, diz. O contato com dois agentes penitenciários também foi muito importante para entender a realidade representada no longa, relata o ator. “É um mundo esquecido, é uma outra realidade. Tem celas onde ficam mais de 30 pessoas”, diz admirado.

Para o ator, esse é o melhor filme de ação já produzido no Brasil. “Rodrigo [Lombardi] está falando, Jackson [Antunes] está falando, todos os grandes atores dizem isso. Se eles estão falando, quem sou eu para discordar?”, brinca. Ele diz que o suspense é o principal ativo do título: “É um filme tenso demais, quem sentar não vai querer sair mais”, aposta. Segundo ele, é melhor que o espectador sente “com duas pipocas, três águas, já ir no banheiro antes para não ter que se mexer da poltrona”.

Fã da série que deu origem ao longa, Kaysar interpreta no filme Abdel, um terrorista internacional. “No filme eu tenho uma fala que questiono um preso, você mata pessoas e apenas eu sou terrorista?”, revela o ator. Para ele o papel, apesar de pequeno, não reforça

estereótipos sobre quem vem do Oriente Médio. “Quem julga se esquece de que quando você aponta um dedo, tem três apontados para você”, filosofa. “As pessoas podem ser terroristas também com as palavras e com o seu jeito de agir. Quem é preconceituoso é

terrorista também.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.