Divulgação
Divulgação

'Eu Sou Ingrid Bergman’ tem como base os diários e filmes domésticos da atriz

Figura icônica, Ingrid Bergman ganha filme sobre sua vida

Luiz Carlos Merten , O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2015 | 04h00

Stig Bjorkman já havia feito documentários sobre Ingmar Bergman e Lars Von Trier. Em 2011, Isabella Rossellini presidia o júri de Berlim e ele estava na Berlinale participando de uma homenagem do festival a Bergman. Harriet Andersson, uma das atrizes preferidas do grande autor sueco, foi dar seu testemunho sobre o trabalho com ele. Bjorkman e Harriet saíram para comer e, então, chegou um emissário do festival dizendo que Isabella Rossellini estava vindo ao encontro de ambos, porque queria cumprimentar Harriet.

Sentaram-se todos na mesma mesa, beberam, comeram e, do nada, Isabella virou-se para Bjorkman e lançou a proposta – “Deveríamos fazer um filme sobre minha mãe, você não acha?” Foi assim, dessa maneira casual, que começou a nascer Ingrid Bergman – On Her Own Words. Ingrid Bergman por ela mesma. Em suas palavras. No Brasil, o filme que estreia nesta quinta-feira, 24, chama-se Eu Sou Ingrid Bergman. Bjorkman encontrou-se com Isabella e seu irmão Robertino em Paris, depois com Pia Lindstrom e Ingrid Rossellini, a irmã gêmea de Isabella, nos EUA. Toda a família apoiou a ideia do filme e os filhos autorizaram o diretor a pesquisar os arquivos que ela deixou depositados na Wesleyan University, em Connecticut. Foi lá que Bjorkman descobriu os diários de Ingrid e os filmes domésticos que ela adorava fazer. O filme começou a tomar forma em sua cabeça. Teria de ser Ingrid in her own words, nas próprias palavras.

Tudo isso ele contou em Cannes, em maio, quando o festival homenageou Ingrid Bergman estampando sua foto no cartaz e, depois, projetando o documentário como homenagem ao centenário de nascimento da atriz. Eu Sou Ingrid Bergman ganhou até um prêmio de documentário. Bjorkman jura que a família não fez exigências nem interferiu em nada. Ele fez o filme como quis, do jeito que quis. Isabella e Robertino o viram pela primeira vez com o público, em Cannes. Pia e Ingrid Rossellini, informaram as agências internacionais de notícias, na première em Estocolmo. Em novembro, o filme estreou em Nova York e, há poucos dias, quase junto com o Brasil, em Los Angeles.

Grande estrela de Hollywood, grande atriz, Ingrid Bergman é uma figura icônica do cinema. Nasceu e morreu no mesmo dia, 29 de agosto, em 1915 e 1982. Seu rosto se tornou internacionalmente conhecido e admirado. “Você pode conferir seu trabalho vendo os filmes que estão todos, ou quase todos, no mercado de home entertainment. Mas o material que eu tinha era raro. Os filmes domésticos eram praticamente inéditos. E foi os que eu privilegiei”, explica Bjorkman. O foco está na mulher, na mãe. Os quatro filhos contam como era sua relação com ela. Sob múltiplos aspectos, Ingrid atravessou os anos 1940 e 50 vivendo como um homem.

Priorizava a carreira e, embora casada, tinha amantes – o fotógrafo Robert Capa, o diretor Victor Fleming – e isso antes de trocar o marido médico, o dr. Lindstrom, por Roberto Rossellini e uma carreira na Itália. Foi um escândalo para a puritana Hollywood da época, mas ela não recuou. Foi, notoriamente, uma mãe ausente, mas isso não marcou nem traumatizou os filhos. Todos falam dela com carinho e admiração. Se tiveram traumas, conseguiram superá-los e viver as próprias vidas.

Ela podia estar ausente na maior parte do tempo, mas quando estava com os filhos lhes dava atenção integral. Sem aprofundar muito, o filme a psicanalisa. Ingrid foi muito marcada pela morte prematura da mãe e, depois, do pai, a quem adorava. Ele foi o primeiro a fotografá-la, filmá-la. Isabella arrisca que o gosto da mãe pelos filmes domésticos talvez fosse uma forma de mantê-la conectada com o pai. Fala-se pouco dos grandes diretores com quem ela trabalhou – George Cukor, Alfred Hitchcock, Roberto Rossellini, Jean Renoir, Stanley Donen. Menos ainda do seu método de trabalho com eles. As referências são vagas. Hitchcock a magnificou, mas como? Mistério, exceto pelo que os filmes revelam

De tudo o que descobriu sobre Ingrid Bergman, Stig Bjorkman chegou a uma (dupla) conclusão. Foi uma mulher de coragem e viveu à frente de seu tempo. E ela amava o cinema. Ao receber o terceiro Oscar – de coadjuvante, por Assassinato no Expresso Oriente, nos anos 1970, após os de melhor atriz por À Meia-Luz (George Cukor, 1944) e Anastásia, a Princesa Esquecida (Anatole Litvak, 1956) –, Ingrid surpreendeu meio mundo ao dizer que Valentina Cortese deveria ter sido a vencedora por seu papel em A Noite Americana, de François Truffaut. O retrato que Bjorkman propõe e apresenta pode não ser completo nem o mais acurado. Mas vale viajar nessas imagens e palavras. Os textos da própria Ingrid, recolhidos de cartas e dos diários, são lidos por Alicia Vikander. O efeito, com frequência, é mágico.

Pergunte a qualquer espectador e ele provavelmente citará, se for só um filme, o clássico romântico Casablanca, de Michael Curtiz, em que Ingrid forma dupla com Humphrey Bogart. Os cinéfilos citarão algum de seus filmes com Rossellini. Stig Bjorkman também tem seus preferidos – Notorious/Interlúdio, de Hitchcock, a trilogia Stromboli, Europa 51 e Viagem na Itália, de Rossellini, e Sonata de Outono, de Bergman, em que tem a cena poderosa do piano, em que a mãe humilha a filha. Liv Ullman, que faz o papel, dá, talvez, o melhor testemunho sobre a atriz e sua habilidade técnica.

Confira o trailer

 

Mais conteúdo sobre:
Ingrid BergmanCinemarCultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.