Estudo critica classificação de filmes nos EUA

Um estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, indica que 51% dos filmes classificados como censura livre mostram álcool, drogas ou cigarros em alguma de suas cenas. A pesquisa também revela que a quantidade de sexo, violência e palavrões aumentou no período estudado, de 1992 a 2003. "Percebemos que as avaliações ficaram mais relaxadas na última década e que, apesar de os filmes de hoje em dia conterem mais violência e sexo, eles recebem a mesma avaliação", disse Kimberly Thompson, uma das autoras do estudo e diretora do Kids Risk Project, projeto da Escola de Saúde Pública de Harvard.Os pesquisadores criaram um banco de dados incluindo o nome de filmes, sua classificação e o motivo dessa avaliação dados pela Associação de Cinema da América (MPAA, na sigla em inglês) e informações sobre o conteúdo dos filmes feitas por duas organizações independentes, a Kids-in-Mind e a Screen It!. Os dados foram então cruzados e avaliados. A Associação menciona álcool ou drogas como razão da classificação de 18% dos filmes, sendo que 93% mostram o consumo de cigarro, álcool ou drogas, incluindo 26 dos 51 filmes classificados como censura livre. De acordo com o banco de dados criado, apenas 5% dos filmes não retratam o uso de qualquer dessas substâncias. "Os pais precisam ficar em alerta sobre a maneira que essas substâncias aparecem nos filmes, normalmente com muito glamour", disse Kimberly. Os resultados sugerem ainda que o conteúdo violento aumentou em filmes classificados nos Estados Unidos como PG (necessária orientação dos pais) e PG-13 (não recomendados para menores de 13 anos), e que cenas de sexo aumentaram em filmes classificados como PG, PG-13 e R (exige acompanhamento de adultos para menores de 17 anos). Os pesquisadores também alertam que, nos filmes de censura livre, a quantidade de violência é maior em longas de animação.A Associação de Cinema dos Estados Unidos classifica os filmes para que os pais tenham uma base e saibam quais são próprios para seus filhos e afirma levar em conta o tema, a linguagem, a violência, a nudez, o sexo e o uso de drogas no processo de decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.