Estúdio Miramax fecha as portas após 30 anos

Fez história no cinema independente, como 'Sexo, Mentiras e Videotape', 'O Piano', 'Pulp Fiction' e outros

EFE,

28 de janeiro de 2010 | 23h02

Os estúdios Miramax, criados por Harvey e Bob Weinstein e de propriedade da Disney desde 1993, fecham suas portas nesta quinta, 28, depois de mais de 30 anos de funcionamento, informou o site especializada Thewrap.com.

 

Os escritórios da produtora em Nova York e Los Angeles suspendem suas operações por determinação da Disney. Por causa da medida, 80 pessoas ficarão sem emprego, segundo o portal.

 

Em outubro de 2009, a Disney anunciou que reduziria significativamente o número de estreias da Miramax, já que a produtora iria se concentrar no mundo digital.

 

Os estúdios ainda têm seis filmes para lançar, entre eles estão "Last Night" e "The Debt", protagonizados por Sam Worthington ("Avatar").

 

Segundo o "The Wrap", essas produções talvez nunca cheguem aos cinemas ou terão um lançamento muito restrito.

 

A Miramax, que chegou a ser uma das distribuidoras mais importantes do cinema independente, produziu sucessos como "Sexo, Mentiras e Videotape", "Cães de Aluguel", "O Piano", "Pulp Fiction" e "Brincando de Seduzir".

 

Outras produções do estúdio são: "O Diário de Bridget Jones", "Shakespeare Apaixonado", "Gangues de Nova York", "As Horas" e "O Aviador".

 

Os irmãos Weinstein, que batizaram o estúdio com os nomes dos pais, Miriam e Max, sempre se caracterizaram pela personalidade forte e pelo caráter agressivo das campanhas que promoviam para que os filmes da Miramax tivessem repercussão no Oscar.

 

No entanto, eles deixaram a empresa em 2005, para fundar a The Weinstein Company. Os estúdios Miramax, então, começaram a ser capitaneados por Daniel Battsek.

Tudo o que sabemos sobre:
Miramax

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.